"Vós que lá do vosso império, prometeis um mundo novo...CUIDADO, que pode o povo, querer um mundo novo a SÉRIO!" In: António Aleixo

28/06/2011

VIVER!





























A vida é uma peça de teatro que não permite ensaios. Por isso, cante, chore, dance, ria e viva intensamente, antes que a cortina se feche e a peça termine sem aplausos.

Charles Chaplin


Viva o hoje, pois o ontem já se foi e o amanhã talvez não venha.

Antoine de Saint-Exupéry

Recebido por e-mail da minha Amiga FerNAnda

24/06/2011

Devolução dos Prémios fraudulentos


POR FAVOR LEIAM E VAMOS TODOS COLABORAR A BEM DA DIGNIDADE NACIONAL

Como é do conhecimento geral, tem-se agora tornado público as ciclópicas dívidas à Banca Financeira, de certas (quase todas) Empresas Públicas como, por exemplo: REFER, TAP, METRO, CARRIS, etc., e isto porque não conseguem mais financiamento.


Estas grandes dívidas estavam no segredo dos deuses. Agora já não podem mais ser escondidas.


Acontece que ao longo dos anos, os Administradores (grandes cérebros) foram recebendo anualmente repugnantes Prémios Milionários pelos ‘excelentes desempenhos’.


Está na hora! …Vai ser agora!


O ‘Movimento Geração à Rasca’ deverá organizar uma Petição ao Governo para que sejam devolvidos todos os fraudulentos prémios recebidos pelos administradores das Empresas Públicas que acumularam prejuízos ao longo da sua existência, ou pelo menos desde 2000.


TODOS PELA DEVOLUÇÃO DOS PRÉMIOS!


Tal como o Teixeira fez à maioria dos pobres Portugueses, mais ou menos incautos (penhorando impiedosamente os seus parcos recursos e lares) agora é a hora de exigir aos Sacadores do Estado a devolução (com ou sem penhora) dos valores sacados.


Caso o Governo não satisfaça esta Petição, será ser organizada uma Manifestação Nacional, junto da Assembleia da Republica em dia a determinar.


(passem a toda a gente)

22/06/2011

COMO FUNCIONA O KARMA!

video

Sem comentários...

20/06/2011

E o governo novo pá?

Gravura de Alessandro Gottardo

Um breve, muito breve, olhar pela blogosfera que se agita, pelos comentários dos murais do Facebook e pela imprensa nacional mostram-me críticas, apoios, dúvidas e insinuações sobre as diferentes personalidades à mistura com cegueiras ideológicas: não pode prestar porque é de direira ou então é muito bom exactamente por isso; é inexperiente? Não vai conseguir fazer nada ou por isso mesmo é que vai fazer bem; não é da área? Não sabe nada ou vai trazer um ar fresco aos problemas. Depois temos os teóricos da conspiração – maçónica, do imperialismo americano (ainda?), europeia (ah os malvados dos alemães), ou das grandes corporações, coadjuvados pelos histéricos do mau perder que apelam à agitação social como estratégia eficaz de resolução dos problemas económicos que nos afligem. Pois! Engraçados os biqueiranços entre os apontadores de dedos: quando-lá-estavam-os-da-tua-cor-calaste versus já-te-estás-a-alinhar-a-pores-te-a-jeito. Comum a todos a mentalidadezinha da dança das cadeiras, das corporações instituídas a cerrarem fileiras; sinto que já se vai juntando lama para o arremesso e lenha para alimentar as piras E eu? Eu para já felicito os membros do governo novo pela coragem de assim se lançarem às feras e a tão ingrata tarefa; aguardo com mente aberta o que deles virá. Mas algo me diz, perante o que tenho lido, que vamos continuar a ser um país de indigentes. A todos os níveis. Porque quem está não quer mudar e quem quer mudar não consegue estar.

AL
Enviado por email pelo Amigo Alberto

Venham daí poetas... Trovadores... Escritores...


Venham daí poetas... Trovadores... Escritores...

Concurso para quem gosta de escrever, organizado pelo zambeziana:

1- Quem pode concorrer? Todos os seguidores do Zambeziana!
2- Categorias: a) Quadras b) Poemas e sonetos c) Prosa
3- Mote obrigatório: "Um Sorriso é Meia Vida!"
4- Enviar para o e-mail: mgmachado@netcabo.pt até ao dia 22 de Junho.
5- Haverá três prémios, um para cada categoria e três menções honrosas.
6- Os prémios serão remetidos por correio para a morada dos vencedores.
7- Dia 24 de Junho – dia de S. João – serão publicados os trabalhos premiados

8- Foi convidado um júri para seleccionar os trabalhos constituído por:

9- Constituição do mesmo: Dr. João Pinto Pereira, Dr. Nuno Machado e Dra. Ana Patrícia Silva
10- O Zambeziana agradece a todos blogs amigos que façam a publicidade deste concurso.

Bom Santo António para todos.


Publicada por Graça Pereira

Casualidade & Causalidade. Notável!


E, apesar destas estranhas coincidências, bom fim-de-semana!

Talvez tenha visto mal mas não me apercebi de que, como vem sendo feito na Net, algum jornal se tenha ainda interrogado sobre a sucessão de três notícias em pouco mais de dois meses que, isoladas, talvez só tivessem lugar nas páginas de Economia mas que, juntas, e com um director ou um chefe de redacção curiosos de acasos, até poderiam ter sido manchete.

A primeira, de 16 de Março, a da renúncia - dois anos antes do termo do seu mandato - de Almerindo Marques à presidência da Estradas de Portugal (para que fora nomeado em 2007 pelo então ministro Mário Lino, declarando ao DE que "no essencial, estava feito o seu trabalho de gestão".

A segunda, de 11 de Maio, a de uma auditoria do Tribunal de Contas à Estradas de Portugal, revelando que, com a renegociação de contratos, a dívida do Estado às concessionárias das SCUT passara de 178 milhões para 10 mil milhões de euros em rendas fixas, dos quais mais de metade (5 400 milhões) coubera ao consórcio Ascendi, liderada pela Mota-Engil e pelo Grupo Espírito Santo. Mais: que dessa renegociação resultara que o Estado receberá, este ano, 250 milhões de portagens das SCUT e pagará 650 milhões em rendas.

E a terceira, de há poucos dias, a de que Almerindo Marques irá liderar a "Opway", construtora do Grupo Espírito Santo.

O mais certo, porém, é que tais notícias não tenham nada a ver umas com as outras, que a sua sucessão seja casual e não causal.

NOTA:

O HONESTO GESTOR NÃO SERÁ RESPONSABILIZADO PELOS DANOS CAUSADOS A ESTA E A FUTURAS GERAÇÕES?

19/06/2011

Esta é de omem!


Espantam-se? Não se espantem. Lá chegaremos. No Brasil, pelo menos, já se escreve "umidade". Para facilitar? Não parece. A Bahia, felizmente, mantém orgulhosa o seu H (sem o qual seria uma baía qualquer), Itamar Assumpção ainda não perdeu o P e até Adriana Calcanhotto duplicou o T do nome porque fica bonito e porque sim.

Isto de tirar e pôr letras não é bem como fazer lego, embora pareça.Há uma poética na grafia que pode estragar-se com demasiadas lavagens a seco. Por exemplo: no Brasil há dois diários que ostentam no título esta antiguidade: Jornal do Commercio. Com duplo M, como o genial Drummond. Datam ambos dos anos 1820 e não actualizaram o nome até hoje. Comércio vem do latim commercium e na primeira vaga simplificadora perdeu, como se sabe, um M. Nivelando por baixo, temendo talvez que o povo ignaro não conseguisse nunca escrever como a minoria culta, a língua portuguesa foi perdendo parte das suas raízes latinas.


Outras línguas, obviamente atrasadas, viraram a cara à modernização. É por isso que, hoje em dia, idiomas tão medievais quanto o inglês ou o francês consagram pharmacy e pharmacie (do grego pharmakeia e do latim pharmacïa) em lugar de farmácia; ou commerce em vez de comércio. O português tem andado, assim, satisfeito, a "limpar" acentos e consoantes espúrias. Até à lavagem de 1990, a mais recente, que permite até ao mais analfabeto dos analfabetos escrever sem nenhum medo de errar. Até porque, felicidade suprema, pode errar que ninguém nota.

"É positivo para as crianças", diz o iluminado Bechara, uma das inteligências que empunha, feliz, o facho do Acordo Ortográfico.


É verdade, as crianças, como ninguém se lembrou delas? O que passarão as pobres crianças inglesas, francesas, holandesas, alemãs, italianas, espanholas, em países onde há tantas consoantes duplas, tremas e hífens? A escrever summer, bibliographie,tappezzería, damnificar, mitteleuropäischen? Já viram o que é ter de escrever Abschnitt für sonnenschirme nas praias em vez de "zona de chapéus de sol"? Por isso é que nesses países com línguas tão complicadas (já para não falar na China, no Japão ou nas Arábias, valha-nos Deus) as crianças sofrem tanto para escrever nas línguas maternas. Portugal, lavador-mor de grafias antigas, dá agora primazia à fonética, pois, disse-o um dia outra das inteligências pró-Acordo, "a oralidade precede a escrita". Se é assim, tirem o H a homem ou a humanidade que não faz falta nenhuma. E escrevam Oliúde quando falarem de cinema. A etimologia foi uma invenção de loucos, tornemo-nos compulsivamente fonéticos.


Mas há mais: sabem que acabou o café-da-manhã? Agora é café da manhã. Pois é, as palavras compostas por justaposição (com hífens) são outro estorvo. Por isso os "acordistas" advogam cor de rosa (sem hífens) em vez de cor-de-rosa. Mas não pensaram, ó míseros, que há rosas de várias cores? Vermelhas? Amarelas? Brancas? Até cu-de-judas deixou, para eles, de ser lugar remoto para ser o cu do próprio Judas, com caixa alta, assim mesmo. Só omens sem H podem ter inventado isto, é garantido.


No Jornal “Público”, por Nuno Pacheco, Jornalista


NOTA:


Esta é de omem!!! Desculpem o omem sem h, mas stou a tentar adatar-me ao novo sistema ortográfico. Amanhã averá uma tal confusão d scrita q ninguém s entenderá. Mas com a crise q temos á anos temos q poupar e temos q ensinar aos Palops a fazer o mesmo. Realmente, é um fato q andávamos abituados a encher o papel com muitas letras inúteis q não pasam d lixo.

Mas já estou velho para aprender línguas» e o meu computador continua a exigir que escreva o português da D. Fernanda. Tenham paciência pois para me lerem terão de aturar as letras que, segundo a ortografia socrática das novas oportunidades, estarão a mais.
Abraços
Jão

17/06/2011

UM BOM EXEMPLO A SER SEGUIDO!!!


Pedro Passos Coelho rejeitou a reforma vitalícia
Pedro Passos Coelho foi o único deputado em 37 anos de história da Assembleia da República que rejeitou a reforma vitalícia a que tinha direito pelo exercício do cargo. Isto foi em 1999. São centenas de milhares de euros poupados ao erário público. Mostra bem o seu carácter, a sua seriedade e o escrúpulo com os dinheiros públicos.
Não abdicou dos seus princípios, mesmo quando isso poderia prejudicar o seu interesse. São pessoas desta envergadura ética que precisamos para governar Portugal
Por favor reenvie esta mensagem aos seus contactos, todos somos poucos para Mudar

Pedro Passos Coelho - Biografia

Só escreveu um discurso em toda a sua vida. As outras centenas, na Assembleia da República, nas comissões políticas, nos congressos, fê-los todos - mesmo todos - de improviso. E já fez centenas de discursos, intervenções, interpelações e declarações.

Pedro Manuel Mamede Passos Coelho nasceu em Coimbra em 24 de Julho de 1964. Os pais eram de Trás-os-Montes, família de pequenos industriais de madeira. O seu pai, António Passos Coelho, 84 anos, é médico pneumologista e foi dirigente do PSD em Vila Real. E chegou aos órgãos nacionais do partido no tempo de Sá Carneiro, conta um amigo.

A liberdade africana António Passos Coelho abandonou a direcção do sanatório do Caramulo e foi para Angola, levando com ele a família: a mulher e os filhos, Teresa, Paulino e Pedro. "Em África fui sempre um miúdo à solta", conta Passos no seu livro Mudar.

Pedro saía de manhã, almoçava numa cubata, brincava com os meninos tuberculosos, lanchava noutra cubata e ia brincando, até outra família lhe dar jantar numa outra cubata. Assim, com seis anos, aparecia em casa pelas nove da noite. Já nessa altura Pedro Passos não tinha medo.

Foi em Silva Porto, capital do Bié, que se iniciou nas tertúlias do pai. Assistia às conversas entre o pneumologista, o director do hospital, o delegado de saúde, o intendente, o administrador e o próprio governador. Ouvia e aprendia.

A primeira personalidade que o impressionou foi a de António Soares Carneiro, então major, que também falou de improviso durante toda a sua vida. "Aquele homem não se repetia" escreve Passos, que aos 16 anos colaborou na campanha presidencial do general.

Regressa a Trás-os-Montes deixando para trás o pai, que havia de reunir-se à família em 1975, já depois da independência de Angola. O choque de trocar as planícies africanas pela aldeia de Valnogueiras, Vila Real, misturou-se, na cabeça de Passos Coelho com a estranha surpresa de viver numa aldeia belíssima mas escura e triste. Sem electricidade, nem saneamento, nem água canalizada, nem televisão. Nem pretos. Para quem crescera na capital do Bié e convivera diariamente com pessoas de outra cor, a diferença era assinalável.

Passos Coelho não é racista. Aliás, casou há sete anos com Laura, com quem teve a sua terceira filha, Júlia, agora com três anos. Fisioterapeuta, Laura é guineense mas está habituada a passar por cabo-verdiana porque "as pessoas pensam que todos os guineenses são pretos retintos", diz bem-humorada. E Laura é bastante clara. De pele também.

Tó Mané, ou melhor, António Manuel Correia Dias, hoje empresário de sucesso em Vila Real, tem mais três anos do que Pedro fala do miúdo que viera de Angola e tinha o descaramento de concorrer à associação de estudantes contra os mais velhos. E de ganhar. Vila Real era palco de uma guerra política extremada naqueles tempos revolucionários. "Até Franck Carlucci, [antigo director da CIA e depois embaixador dos Estados Unidos da América em Lisboa], lá foi", lembra Correia Dias. "Não sei de onde lhe vinha aquela postura. Ele andava sempre com pessoas mais velhas. Cresceu muito mais depressa do que nós.

E sempre soube o que queria: queria ir para Lisboa", diz Tó Mané. E reforça "o Pedro era visto pelas pessoas como um 'jovem adulto', não como um miúdo, mesmo aos 15 anos!" "O discurso dele era muito adulto. E gostava mesmo de acompanhar pessoas mais velhas.", lembra Correia Dias.

E foi a politica que o trouxe a Lisboa Veio para estudar Matemática. Mas a JSD tomava-lhe todo o tempo. Foi secretário-geral aos 20, e presidente aos 26. Eleito deputado em 1991, viria a integrar a Comissão Política Nacional (CPN) do PSD de Cavaco Silva. Muitos se lembram de o jovem Pedro ter feito frente a Cavaco Silva. Um dos motivos era a política de Educação.
Era então ministra, curiosamente, Manuela Ferreira Leite. Passos Coelho teve como secretário-geral Miguel Relvas, que ainda hoje é o seu braço direito. Mas havia outros. Como Jorge Moreira da Silva, que também foi seu secretário-geral e lhe sucedeu na após três mandatos na Jota.

Um dos episódios em que Passos mostrou a sua frieza passou-se com o seu amigo Luís Nobre, hoje advogado. Manuel Dias Loureiro, então braço direito de Cavaco Silva no PSD, apresentou a Passos e lista da CPN a qual incluía apenas um representante da JSD, o próprio Pedro.
Passos foi inflexível: ou Luís Nobre entrava na lista ou ele saía. A lista, que já estava pronta, foi mesmo alterada. E ninguém soube que houvera um braço de ferro e que este fora ganho por Passos.

A mesma discrição foi usada, muitos mais tarde, quando abandonou a CPN presidida por Marques Mendes. Passos deixou de ser vice-presidente e ninguém soube os motivos pelos quais se zangara com Mendes. Mais: ninguém chegou a saber que se zangara, mas apenas que saíra.
Manteve a lealdade até ao fim. Sem comentários.

Outro episódio que retrata bem Pedro Passos é a sua recusa de receber a subvenção vitalícia da Assembleia. Foi o único deputado que a recusou. E fê-lo por uma questão de princípio.


11/06/2011

Discurso de António Barreto em 10 de Junho de 2011, em Castelo Branco



Este Homem tem uma verdadeira noção de como temos vivido e de como nos devíamos ter apercebido dos erros que vinham sendo cometidos! Poucos lhe deram ouvidos e agora mais uma vez alerta os Portugueses para o momento difícil que se vive!

O seu discurso é prova disso pelo que me permito respigar algumas partes dele, que me parecem de relevante interesse. Espero que os novos governantes saibam tirar proveito das suas palavras com a humildade e a inteligência que elas merecem!

“… Nada é novo. Nunca! Já lá estivemos, já o vivemos e já conhecemos. Uma crise financeira, a falência das contas públicas, a despesa pública e privada, ambas excessivas, o desequilíbrio da balança comercial, o descontrolo da actividade do Estado, o pedido de ajuda externa, a intervenção estrangeira, a crise política e a crispação estéril dos dirigentes partidários. Portugal já passou por isso tudo. E recuperou. O nosso país pode ultrapassar, mais uma vez, as dificuldades actuais. Não é seguro que o faça. Mas é possível…”

“…Novo é também o facto de alguns políticos não terem dado o exemplo do sacrifício que impõem aos cidadãos. A indisponibilidade para falarem uns com os outros, para dialogar, para encontrar denominadores comuns e chegar a compromissos contrasta com a facilidade e o oportunismo com que pedem aos cidadãos esforços excepcionais e renúncias a que muitos se recusam. A crispação política é tal que se fica com a impressão de que há partidos intrusos, ideias subversivas e opiniões condenáveis. O nosso Estado democrático, tão pesado, mas ao mesmo tempo tão frágil, refém de interesses particulares, nomeadamente partidários, parece conviver mal com a liberdade. Ora, é bom recordar que, em geral, as democracias, não são derrotadas, destroem-se a si próprias!...”

“…O esforço que é hoje pedido aos Portugueses é talvez ímpar na nossa história, pelo menos no último século. Por isso são necessários meios excepcionais que permitam que os cidadãos, em liberdade, saibam para quê e para quem trabalham. Sem respeito pelos empresários e pelos trabalhadores, não há saída nem solução. E sem participação dos cidadãos, nomeadamente das gerações mais novas, o esforço da comunidade nacional será inútil…”

“…Como disse um grande jurista, “cada geração tem o direito de rever a Constituição”. As jovens gerações têm esse direito. Não é verdade que tudo dependa da Constituição. Nem que a sua revisão seja solução para a maior parte das nossas dificuldades. Mas a adequação, à sociedade presente, desta Constituição anacrónica, barroca e excessivamente programática afigura-se indispensável. Se tantos a invocam, se tantos a ela se referem, se tantos dela se queixam, é porque realmente está desajustada e corre o risco de ser factor de afastamento e de divisão. Ou então é letra morta, triste consolação. Uma nova Constituição, ou uma Constituição renovada, implica um novo sistema eleitoral, com o qual se estabeleçam condições de confiança, de lealdade e de responsabilidade, hoje pouco frequentes na nossa vida política. Uma nova Constituição implica um reexame das relações entre os grandes órgãos de soberania, actualmente de muito confusa configuração. Uma Constituição renovada permitirá pôr termo à permanente ameaça de governos minoritários e de Parlamentos instáveis. Uma Constituição renovada será ainda, finalmente, o ponto de partida para uma profunda reforma da Justiça portuguesa, que é actualmente uma das fontes de perigos maiores para a democracia. A liberdade necessita de Justiça, tanto quanto de eleições. Pobre país moreno e emigrante, poderás sair desta crise se souberes exigir dos teus dirigentes que falem verdade ao povo, não escondam os factos e a realidade, cumpram a sua palavra e não se percam em demagogia!...”

“… País perene e errante, que viveste na Europa e fora dela, mas que à Europa regressaste, tens de te preparar para viver com metas difíceis de alcançar, apesar de assinadas pelo Estado e por três partidos, mas tens de evitar que a isso te obrigue um governo de fora.

País do sol e do Sul, tens de aprender a trabalhar melhor e a pensar mais nos teus filhos.

País desigual e contraditório, tens diante de ti a mais difícil das tarefas, a de conciliar a eficiência com a equidade, sem o que perderás a tua humanidade. Tarefa difícil. Mas possível.”

Do Blogue "Do Miradouro"

09/06/2011

Homenagem da comunidade dos Veteranos da Guerra do Ultramar


Senhora Dona Cecília Supico Pinto
Faleceu no dia 25 de Maio de 2011. Paz à sua Alma!


Cecília Maria de Castro Pereira de Carvalho Supico Pinto (Lisboa, 30 de Maio de 1921 — 25 de Maio de 2011), conhecida popularmente como Cilinha, foi a criadora e presidente do Movimento Nacional Feminino, uma organização de mulheres que durante a guerra do Ultramar prestou apoio moral e material aos militares portugueses. Nesse cargo atingiu grande popularidade e uma considerável influência política junto de Oliveira Salazar e das elites do Estado Novo. Visitou as tropas em África e promoveu múltiplas iniciativas mediáticas para angariação de fundos.


Veja o link abaixo:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Cec%C3%ADlia_Supico_Pinto


Movimento Nacional Feminino (MNF)

O Movimento Nacional Feminino foi fundado no dia 28 de Abril de 1961. Foi uma iniciativa de Cecília Maria de Castro Pereira de Carvalho Supico Pinto, organização apolítica e patriótica, destinada a unir as mulheres portuguesas no apoio aos militares em serviço no Ultramar.

Cecília Supico Pinto conhecida por Cilinha, foi escolhida para presidir ao
Movimento. A primeira sede do Movimento a que aderiram mães, esposas, irmãs e madrinhas de guerra, nasceu num pequeno quarto no Largo Luís de Camões, em Lisboa. Do grupo inicial fizeram parte, entre outras, Maria Luísa Bobone, Teresa Mónica, Maria da Glória Barros e Castro, Madalena Câmara Fialho. Maria Antónia Torres Pereira e a enfermeira Deolinda Santos. O número de mulheres aderentes foi crescendo chegando a mais de 80 000.
O apoio moral e material aos nossos militares foi-se traduzindo em múltiplas coisas, das quais há a destacar os famosos aerogramas, isentos de franquia, um disco long-play, distribuído no Natal de 1971, reunindo interpretações de vários artistas nacionais e as visitas às frentes de combate da Cilinha e de muitas outras dirigentes do MNF. Vestida de camuflado, dormiu em tendas de campanha, esteve debaixo de fogo e embrenhou-se na mata com os militares, chegando a sofrer um acidente que a obrigou a andar de muletas com um pé engessado. Nada a deteve na sua campanha. O seu lema era "Por Deus e pela Pátria".
Ruy Miguel

Nota:

Realço alguns pontos importantes, nomeadamente em relação às suas diligências sobre a solução de problemas dos combatentes.


1. Sobre os aerogramas afirmou: "De facto foi o MNF a fazer todas as edições dos aerogramas. Conseguimos a isenção da franquia postal, mas também nos disseram que tal apenas podia ir para a frente se fossemos nós a tomar conta do desenvolvimento desse projecto. Nessa altura tínhamos apenas mil e quinhentos escudos em caixa, mas, através da venda de publicidade nos próprios aerogramas, conseguimos editar milhões de exemplares. Vendíamos ás famílias a vinte centavos, sendo grátis para os militares. Nessa época arcámos com toda a responsabilidade e as despesas inerentes."


2.Sobre as trasladações dos militares falecidos afirmou:

"(...) Recordo que havia uma lei em relação à Guiné, em que o militar, antes de seguir para lá, tinha que assinar um documento onde afirmava que, em caso de morte, a família tinha que se ocupar da trasladação do corpo para o Continente. Telefonei ao Ministro Silva Cunha e disse-lhe: «Eu tenho aqui um documento que diz isto e eu não posso acreditar que seja verdade». Respondeu-me «Mande imediatamente esse papel!». Assim foi, e nunca mais tal sucedeu. (...)"

3.Sobre as suas idas à Guiné, disse: "(...) Cheguei a ir uma quatro vezes a Madina do Boé, a Buruntuma, a Nova Lamego e a muitas outras zonas de combate. Nunca virei a cara e posso andar em qualquer sítio de cabeça bem levantada. (...)"

Cecília Supico Pinto ainda deu mais uma entrevista em 2008,que foi publicada na revista do Expresso, em 16 de Fevereiro.

Com estes destaques pretendi, nesta sua despedida, homenagear o grande esforço despendido por esta Senhora no apoio aos combatentes do Ultramar.

Que descanse em paz!

Cor. Manuel Bernardo

10 de Junho – Dia das Forças Armadas




…”Aqueles que morrem em operações ao serviço do seu país, não devem, não podem, ser confundidos com regimes ou simpatias partidárias. Aqueles que caíram no antigo Ultramar Português bem assim como os que depois de 1991 morreram em países estrangeiros nas novas missões das Forças Armadas Portuguesas, eles e as suas Famílias, de todos, merecem público reconhecimento. Estavam lá em nome de Portugal.”…

Nota:
Lembro aqui igualmente todos aqueles que participaram e morreram na 1ª Grande Guerra (1914/1918), tanto na Europa como no antigo Ultramar Português!

Quando os governantes têm sentido de estado e de justiça social...


UM EXEMPLO A SEGUIR...

Medidas deixam ministros britânicos apeados à excepção das principais figuras do Governo, os outros
Ministros passam a deslocar-se de metro, comboio ou a pé

"A era da abundância acabou. Bem-vindos à era da austeridade."


Não fosse o tema tão antipático e a ironia poderia bem ter sido usada por George Osborne, o ministro das Finanças britânico, quando na segunda-feira anunciou as primeiras medidas para redução do défice. E se o Reino Unido não foi o primeiro a lançar-se na árdua tarefa, foi mais longe do que qualquer país europeu nas medidas para limitar os gastos do Governo e dos seus gabinetes.


"Os ministros deverão andar a pé ou usar transportes públicos", anunciou o director do Tesouro, o liberal-democrata David Laws, explicando que os membros do Governo e directores dos serviços vão deixar de ter carro e motorista atribuído. Quando o comboio ou o metro não forem alternativa para deslocações de serviço, os dirigentes poderão recorrer aos Jaguar da frota executiva, "mas sempre que possível" partilhando-os com outro (s) colegas.
Por razões de protocolo e segurança, as novas regras não vão abranger as caras mais conhecidas do Governo (o primeiro-ministro e o seu vice, os ministros da Defesa, Negócios Estrangeiros, Interior e Finanças), ainda que Cameron seja um conhecido adepto da bicicleta e insista em percorrer a pé as ruas que ligam o seu gabinete, em Downing Street, ao Parlamento, para desagrado dos guarda--costas.

Ao deixar os ministros apeados, o Governo poupa aos cofres públicos cinco milhões de libras (5,7 milhões de euros), uma gota de água no oceano de 156 mil milhões de libras do défice actual. Mas Osborne e o seu "número dois" sabem que será impossível impor ao país as medidas de austeridade se os políticos, desacreditados pelo escândalo das despesas, "não pagarem a sua parte".


Abra o link abaixo:

http://jornal.publico.pt/noticia/29-05-2010/medidas-deixam-ministros-britanicos-apeados-19506058.htm

MAIS QUE ESCANDALOSO... UMA VERGONHA


Isto é um espanto! Há lata para tudo:

1. Sabem em que consiste a "manutenção" do site do ministério da justiça?


Não? Ok! Eu esclareço: trata-se de actualizar conteúdos. Acham que o ministro Costa recorreu a um informático qualquer para tratar do assunto? Não! Trata-se de uma tarefa altamente técnica que justifica uma remuneração de 3.254,00 euros mais o subsídio de almoço, claro!


2. E sabem quem tem o perfil adequado a essa extremamente especializada função?


Não? Ok! Eu esclareço. Trata-se de Susana Isabel Costa Dutra. Susana Isabel Costa Dutra, é (por um acaso daqueles que só acontecem em Portugal) filha do ministro Alberto Costa.

Se puderem espalhem pois pode haver alguém que não tem acesso ao Diário da República, ficando assim prejudicado de saber que "lá vamos, cantando e rindo, levados, levados sim..."

08/06/2011

MEU APLAUSO PARA ESSE SENHOR! UM EXEMPLO A SEGUIR…


É lamentável, mas infelizmente é verdade...

São Leopoldo tem um dos menores índices de analfabetismo e de mendicidade do país, talvez por causa de homens como este!

EMPRESÁRIO DE SÃO LEOPOLDO - Silvino Geremia é empresário em São Leopoldo, Estado do Rio Grande do Sul. Eis o seu desabafo, publicado na revista EXAME:

"Acabo de descobrir mais um desses absurdos que só servem para atrasar a vida das pessoas que tocam e fazem este país: investir em Educação é contra a lei. Vocês não acreditam?


Minha empresa, a Geremia, tem 25 anos e fabrica equipamentos para extracção de petróleo, um ramo que exige tecnologia de ponta e muita pesquisa. Disputamos cada pedacinho do mercado com países fortes, como os Estados Unidos e o Canadá. Só dá para ser competitivo se eu tiver pessoas qualificadas trabalhando comigo.


Com essa preocupação criei, em 1988, um programa que custeia a educação em todos os níveis para qualquer funcionário, seja ele um varredor ou um técnico.

Este ano, um fiscal do INSS visitou a nossa empresa e entendeu que Educação é Salário Indirecto. Exigiu o recolhimento da contribuição social sobre os valores que pagamos aos estabelecimentos de ensino frequentados por nossos funcionários, acrescidos de juros de mora e multa pelo não recolhimento ao INSS.

Tenho que pagar 26 mil reais à Previdência por promover a educação dos meus funcionários? Eu honestamente acho que não. Por isso recorri à Justiça. Não é pelo valor em si, é porque acho essa tributação um atentado.


Estou revoltado.


Vou continuar não recolhendo um centavo ao INSS, mesmo que eu seja multado 1000 vezes.

O Estado brasileiro está completamente falido. Mais da metade das crianças que iniciam a 1ª série não conclui o ciclo básico. A Constituição diz que educação é direito do cidadão e um dever do Estado. E quem é o Estado? Somos todos nós.

Se a União não tem recursos e eu tenho, acho que devo pagar a escola dos meus funcionários. Tudo bem, não estou cobrando nada do Estado. Mas também não aceito que o Estado me penalize por fazer o que ele não faz.
Se essa moda pega, empresas que proporcionam cada vez mais benefícios vão recuar. Não temos mais tempo a perder.

As leis retrógradas, ultrapassadas e em total descompasso com a realidade devem ser revogadas. A legislação e a mentalidade dos nossos homens públicos devem adequar-se aos novos tempos. Por favor, deixem quem está fazendo alguma coisa trabalhar em paz.
E vão cobrar de quem desvia dinheiro, de quem sonega impostos, de quem rouba a Previdência, de quem contrata mão-de-obra fria, sem registo algum.

Sou filho de família pobre, de pequenos agricultores, e não tive muito estudo. Somente consegui completar o 1º grau aos 22 anos e, com dinheiro ganho no meu primeiro emprego, numa indústria de Bento Gonçalves, na serra gaúcha, paguei uma escola técnica de electromecânica. Cheguei a fazer vestibular e entrar na faculdade, mas nunca terminei o curso de Engenharia Mecânica por falta de tempo. Eu precisava fazer minha empresa crescer. Até hoje me emociono quando vejo alguém se formar.
Quis fazer com meus empregados o que gostaria que tivessem feito comigo. A cada ano cresce o valor que invisto em educação porque muitos funcionários já estão chegando à Universidade.

O fiscal do INSS acredita que estou sujeito a acções judiciais. Segundo ele, algum empregado que não receba os valores para educação poderá reclamar uma equiparação salarial com o colega que recebe. Nunca, desde que existe o programa, um funcionário meu entrou na Justiça. Todos sabem que estudar é uma opção daqueles que têm vontade de crescer... E quem tem esse sonho pode realizá-lo porque a empresa oferece essa oportunidade. O empregado pode estudar o que quiser, mesmo que seja Filosofia, que não teria qualquer aproveitamento prático na nossa Empresa Geremia. No mínimo, ele trabalhará mais feliz.


Meu sonho de consumo sempre foi um Mercedes-Benz. Adiei sua realização várias vezes porque, como cidadão consciente do meu dever social, quis usar meu dinheiro para fazer alguma coisa pelos meus 280 empregados. Com os valores que gastei no ano passado na educação deles, eu poderia ter comprado dois Mercedes. Teria mandado dinheiro para fora do País e não estaria me incomodando com essas leis absurdas. Mas infelizmente não consigo fazer isso. Eu sou um teimoso.


No momento em que o modelo de Estado que faz tudo está sendo questionado, cabe uma outra pergunta. Quem vai fazer no seu lugar? Até agora, tem sido a iniciativa privada. Não conheço, felizmente, muitas empresas que tenham recebido o mesmo tratamento que a Geremia recebeu da Previdência por fazer o que é dever do Estado. As que foram punidas preferiram se calar e, simplesmente, abandonar seus programas educacionais.

Com esse alerta temo desestimular os que ainda não pagam os estudos de seus funcionários. Não é o meu objectivo. Eu, pelo menos, continuarei ousando ser empresário, a despeito de eventuais crises, e não vou parar de investir no meu património mais precioso: as pessoas. Eu sou mesmo teimoso!

Não tem jeito...


“No futebol, o Brasil ficou entre os 8 melhores do mundo e todos estão tristes. Na educação é o 85º e ninguém reclama..."


EU APOIO ESTA TROCA: TROQUE 01 PARLAMENTAR POR 344 PROFESSORES


O salário de 344 professores que ensinam = ao de 1 parlamentar que rouba


Essa é uma campanha que vale a pena!

Sabedoria Indígena



Uma noite, um velho índio falou ao seu neto sobre o combate que acontece dentro das pessoas.


Ele disse: - Há uma batalha entre dois lobos que vivem dentro de todos nós.


Um é Mau - É a raiva, inveja, ciúme, tristeza, desgosto, cobiça, arrogância, pena de si mesmo, culpa, ressentimento, inferioridade, orgulho falso, superioridade e ego.


O outro é Bom - É alegria, fraternidade, paz, esperança, serenidade, humildade, bondade, benevolência, empatia, generosidade, verdade, compaixão e fé.


O neto pensou nessa luta e perguntou ao avô: - Qual lobo vence?


O velho índio respondeu:


- "Aquele que você alimenta!"

05/06/2011

Pior será mesmo impossível


Entendo que deve ser visto e, se preciso, revisto.Como é possível tanta patranha tanto tempo e tanta apatia?
Concordo inteiramente. Pior será mesmo impossível, abra o link abaixo:

http://youtu.be/A-5AiDrHsmI

04/06/2011

"Como Vencer a Pobreza e a desigualdade"


REDACÇÃO DE ESTUDANTE CARIOCA VENCE CONCURSO DA UNESCO COM 50.000 PARTICIPANTES

Imperdível para amantes da língua portuguesa, e claro também para Professores. Isso é o que eu chamo de jeito mágico de juntar palavras simples para formar belas frases

Tema:'Como vencer a pobreza e a desigualdade'
Por Clarice Zeitel Vianna Silva
UFRJ - Universidade Federal do Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - RJ

'PÁTRIA MADRASTA VIL'

Onde já se viu tanto excesso de falta? Abundância de inexistência… Exagero de escassez... Contraditórios? Então aí está! O novo nome do nosso país! Não pode haver sinónimo melhor para BRASIL.
Porque o Brasil nada mais é do que o excesso de falta de carácter, a abundância de inexistência de solidariedade, o exagero de escassez de responsabilidade.
O Brasil nada mais é do que uma combinação mal engendrada - e friamente sistematizada - de contradições.
Há quem diga que 'dos filhos deste solo és mãe gentil.', mas eu digo que não é gentil e, muito menos, mãe. Pela definição que eu conheço de MÃE, o Brasil está mais para madrasta vil.
A minha mãe não 'tapa o sol com a peneira'. Não me daria, por exemplo, um lugar na universidade sem ter-me dado uma bela formação básica.
E mesmo há 200 anos atrás não me aboliria da escravidão se soubesse que me restaria a liberdade apenas para morrer de fome. Porque a minha mãe não iria querer me enganar, iludir. Ela me daria um verdadeiro Pacote que fosse efectivo na resolução do problema, e que contivesse educação + liberdade + igualdade. Ela sabe que de nada me adianta ter educação pela metade, ou tê-la aprisionada pela falta de oportunidade, pela falta de escolha, acorrentada pela minha voz-nada-activa. A minha mãe sabe que eu só vou crescer se a minha educação gerar liberdade e esta, por fim, igualdade. Uma segue a outra... Sem nenhuma contradição!
É disso que o Brasil precisa: mudanças estruturais, revolucionárias, que quebrem esse sistema-esquema social montado; mudanças que não sejam hipócritas, mudanças que transformem!
A mudança que nada muda é só mais uma contradição. Os governantes (às vezes) dão uns peixinhos, mas não ensinam a pescar. E a educação libertadora entra aí. O povo está tão paralisado pela ignorância que não sabe a que tem direito. Não aprendeu o que é ser cidadão.
Porém, ainda nos falta um factor fundamental para o alcance da igualdade: nossa participação efectiva; as mudanças dentro do corpo burocrático do Estado não modificam a estrutura. As classes média e alta - tão confortavelmente situadas na pirâmide social - terão que fazer mais do que reclamar (o que só serve mesmo para aliviar nossa culpa)... Mas estão elas preparadas para isso?
Eu acredito profundamente que só uma revolução estrutural, feita de dentro para fora e que não exclua nada nem ninguém de seus efeitos, possa acabar com a pobreza e desigualdade no Brasil.
Afinal, de que serve um governo que não administra? De que serve uma mãe que não afaga? E, finalmente, de que serve um Homem que não se posiciona?
Talvez o sentido de nossa própria existência esteja ligado, justamente, a um posicionamento perante o mundo como um todo. Sem egoísmo. Cada um por todos.
Algumas perguntas, quando auto-indagadas, se tornam elucidativas. Pergunte-se: quero ser pobre no Brasil? Filho de uma mãe gentil ou de uma madrasta vil? Ser tratado como cidadão ou excluído? Como gente... Ou como bicho?

Recebido por e-mail pela minha Amiga Mariazita


NOTA 1:

Premiada pela UNESCO, Clarice Zeitel, de 26 anos, estudante que termina faculdade de direito da UFRJ em Julho, concorreu com outros 50 mil estudantes universitários.
Ela acaba de voltar de Paris, onde recebeu um prémio da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) por uma redacção sobre 'Como vencer a pobreza e a desigualdade'
A redacção de Clarice intitulada `Pátria Madrasta Vil´ foi incluída num livro, com outros cem textos seleccionados no concurso. A publicação está disponível no site da Biblioteca Virtual da UNESCO.

Quem sabe, aos poucos, iremos acordar este "Brasil".

NOTA 2:

Este texto, muito bem elaborado, não diz respeito só ao Brasil pois pode ser, igualmente, dirigido a muitos outros Países! Portugal está nesse caso infelizmente!

O Mundo perdeu Valores e Princípios e tornou-se num “monstro egoísta” onde as “Pátrias são Madrastas Vis”!

Prisão efectiva para estes . . . Mas antes vejam o que os contribuintes pagaram...



São todos "JOVENS" da Nomenklatura PS, Gestores com oito cartões de crédito

Os ex-administradores da GEBALIS (empresa municipal da CM Lisboa) Francisco Teixeira,Clara Costa e Mário Peças receberam, entre Fevereiro de 2006 e Outubro de 2007, oito cartões de crédito daquela empresa municipal. O limite de crédito atribuído àqueles ex-gestores oscilou entre cinco mil euros e dez mil euros por mês. O despacho de acusação do Ministério Público, a que o CM teve acesso, diz que, 'no início do mandato, a cada um dos arguidos foram fornecidos cartões de crédito', apesar de haver 'uma omissão legal e dos próprios Estatutos da Gebalis [sobre essa regalia]', segundo o relatório da Polícia Judiciária.

A Francisco Ribeiro, ex-presidente da Gebalis, foram dados, segundo o despacho de acusação, três cartões de crédito: um do BES com limite de 7500 euros, um do BPI com dez mil euros e um do Millennium bcp com cinco mil euros. Mário Peças, ex-vogal da empresa, teve também três cartões de crédito: um do BES com 7500 euros, um do BPI com dez mil euros e um do Millennium bcp com cinco mil euros. Já Clara Costa contou com um cartão de crédito do BES com um limite de crédito de 7500 euros e outro do Millennium bcp com cinco mil euros.
À excepção do cartão de crédito do BPI atribuído a Mário Peças, todos os cartões tiveram vários números e diferentes datas. Com os respectivos cartões de crédito em seu poder, cada um dos arguidos decidiu que os utilizaria para pagamento das despesas relativas a refeições suas e com amigos e outras pessoas de cujo convívio poderiam beneficiar no seu percurso profissional, político ou financeiro, quer nos dias de trabalho, quer em férias ou fins-de-semana, quer, ainda, no decurso de viagens ao estrangeiro', precisa o despacho de acusação do Ministério Público.
Ontem, Clara Costa manifestou a sua 'total inocência'.

REFEIÇÕES EM RESTAURANTES DE LUXO

De Março de 2006 a Outubro de 2007, Clara Costa gastou 11 530 euros em refeições com o cartão de crédito.

40 145 euros foram a despesa de Mário Peças em refeições, de Março de 2006 a Outubro de 2007, com cartões de crédito.

12 738 euros foi o gasto de Francisco Ribeiro em refeições, de Março de 2006 a Outubro de 2007, com cartões de crédito.

Estão a ver porque motivo há necessidade de retirar as PENSÕES aos Idosos ?

03/06/2011

Um país que mal conheço!


Entre os muitos sentimentos que me assaltaram estes últimos tempos, para além da vergonha, está a redescoberta amarga de um outro Portugal, confuso, asténico, dividido, feito de um composto de gerações, todas à rasca, sem rumo ou sentido. A última sondagem é disso exemplo, pois indica que para um número considerável de portugueses eleitores ser governado por José Sócrates é algo justo, racional e salutar. Um Tartufo que em seis anos levou o País à bancarrota e a níveis insustentáveis de dependência, que comprometeu as novas gerações e alienou o nosso futuro comum é visto não como uma possibilidade mas como uma probabilidade desejável. Porquê? Não sei.

Estes 78 mil milhões de euros que negociámos by the book e segundo a troika são a factura da vaidade de um único homem, Sócrates, e basta lembrar a burlesca contra dança a que ele se dedicou nas últimas semanas para se perceber o ponto a que chegou a usura sobre este pobre e cansado País.


A apresentação de um ridículo e inútil programa de Governo, atropelando as negociações, para ficar com a primeira palavra, sabendo nós que qualquer programa de Governo terá como matriz o pacote de FMI e que o verdadeiro programa de Governo de Sócrates foi o PEC IV de triste memória; a pressa com que saltou, qual boneco de uma caixa de cartão, para nos vir dizer o que o pacote não tinha (?); uma esponja passada à pressa sobre o que dissera acerca do FMI, esse monstro disposto a comer criancinhas ao pequeno-almoço, sendo ele, Sócrates, a nossa única defesa contra quem nos vinha roubar salários, subsídios de férias, desmantelar a função pública, deitar no caixote do lixo as leis laborais; a indisfarçável alegria com que veio logo apresentar o pacote como se fosse ele, e mais ninguém, o seu negociador, ele que irresponsavelmente o protelou, acarretando com isso mais e mais prejuízos para todos nós.


Vejo como muito difícil que estas eleições, só por si, possam criar um quadro renovado e clarificador onde assente, com proveito, o esforço de vencer a crise. Duvido mesmo que a maioria dos portugueses, metralhados por um constante caudal de notícias, se tenha apercebido do que se joga, para todos nós, daqui para a frente, mas sei que a permanência de Sócrates, central neste cenário, é o suficiente para inviabilizar qualquer tentativa. E também sei que as sondagens reflectem estes mesmos receios, a ideia que é preciso juntar forças políticas suficientes para criar a base de sustentação necessária, só que isso não é possível juntando tudo e todos, polícias e ladrões.


Tão mais verdade quanto nos confrontamos com todos os sinais de pré-ruptura de regime, tudo muito além do económico e do financeiro. A necessidade de travar o grande desgaste desta Terceira República que em pouco mais de três décadas assistiu, a par de três visitas do FMI e do descontrolo das contas públicas, à degradação das instituições democráticas, à degradação da política e dos seus agentes numa democracia incapaz de se vigiar a ela própria, ao enfraquecimento do poder de representação e de convocatória das forças políticas, ao alheamento e reduzida participação de uma sociedade desmobilizada.


A crise visível vai certamente ser ultrapassada, pois o FMI não impôs apenas as condições do empréstimo como vai ficar por cá a monitorizar a sua execução, passando-nos um outro e mais pesado atestado de menoridade cívica e política como compete a um país que se habituou a viver em estado de incumprimento. Eles nos obrigarão a fazer o que não fizemos a tempo e horas - já agora, como é possível apresentar uma Justiça neste estado a uma entidade estrangeira e não ter muita vergonha?


Mas as crises invisíveis ficarão por nossa conta: crise de valores, crise cultural e de identidade, crise de coesão nacional, crise de vontade e de autodeterminação. E temos de as resolver a todas.


Só uma não basta.


por MARIA JOSÉ NOGUEIRA PINTO

O NORTE SOUBE DAR A RESPOSTA!


"Não podia haver melhor forma de acabar esta campanha eleitoral no Norte do país e no Porto como esta que temos aqui nesta praça de todos vós", disse, no início do comício na Praça D João I que, contudo, não chegou a lotar.

Passos levado em ombros volta a pedir maioria absoluta

JN. 110602. GINA PEREIRA

As ruas da baixa do Porto deram, esta quinta-feira à tarde, um banho de multidão a Pedro Passos Coelho que, por duas vezes, chegou a ser levado em ombros pelos seus apoiantes. Entusiasmado pelo apoio popular, muito superior ao que teve José Sócrates que também esta tarde esteve na Invicta, Passos voltou a dramatizar a necessidade de maioria absoluta.


Animado pelas hostes laranja que o foram apoiar - como foi o caso de Rui Rio, que discursou para apontar os "erros de governação" socialista ao longo de 14 anos e antevê que o líder do PSD terá uma tarefa "gigantesca" - , Passos prometeu "unir o país como uniu o PSD", numa referência ao facto de ter ao seu lado os seus dois opositores na corrida à liderança, José Pedro Aguiar Branco, cabeça de lista pelo Porto, e Paulo Rangel, eurodeputado.


Fazendo uma referência especial aos jovens, "que vão ter de trabalhar muito para pagar uma dívida colossal que não foi feita em nome deles e para que eles a pudessem aproveitar", Passos voltou a dizer que o país não precisa apenas de "mudar de Governo". "O país tem também de mudar de vida nos próximos anos".


Sem rodeios, pela segunda vez no dia de hoje, Passos disse que "o país precisa de uma maioria absoluta nestas eleições". E, sem nunca citar Paulo Portas, que em entrevista ao DN/JN admitiu não aceitar uma coligação de Governo, deixou no ar uma pergunta. "Não podemos arriscar a ler nos jornais segunda-feira: como é que o Passos Coelho pode fazer um Governo? De quem depende esse Governo? Será um Governo coerente e estará lá como uma rocha para lutar por nós", disse, dramatizando a necessidade de maioria absoluta.


Na mesma hora:


Discurso de Sócrates em Barcelos interrompido por ovos arremessados do exterior


O secretário-geral do PS foi, quinta-feira, forçado a interromper a sua intervenção por alguns segundos no comício de Barcelos quando, do exterior, atiraram para a tribuna e para o palco alguns ovos.


Nenhum dos ovos acertou em dirigentes socialistas e José Sócrates procurou desdramatizar o que aconteceu, deixando um apelo aos apoiantes que encheram a praça central de Barcelos: "Não se preocupem com isso".


Perante os incidentes, enquanto discursava, Sócrates salientou que o PS "é o partido da tolerância, mas, infelizmente, ao longo desta campanha, temos assistido a incidentes daqueles que criam um clima de ódio e que tentam impedir o direito constitucional de reunião do partido".

"Ocorre-me sempre pensar em que escola democrática foi formada. Não foi seguramente na escola do PS", declarou, recebendo uma prolongada ovação.

Depois de atirados os ovos para o interior do comício, a reportagem da agência Lusa seguiu um grupo de apoiantes socialistas que saiu em perseguição dos prováveis responsáveis pelos incidentes. A perseguição, de alguns minutos, em corrido, acabaria por ser travada pela PSP.


Nota:

Onde está a tolerância do PS? Aqui e nas diversas acções deste tipo nas manifestações eleitorais do PS? Ou ainda nas declarações de um dos seus mais responsáveis: “Quem se meter com o PS leva”…

Os Portugueses sabem o que querem. O voto útil, neste momento, tem que ir para a única solução que garante a paragem do regabofe dos últimos 6 (seis) anos de destruição dos recursos do País em benefício de uma corja. Fora com o Ali Bábá e do seu grupo de mais de 40…


O Sr. Fernando Medina fez um belo (?) alerta. "Temos que usar o VOTO ÚTIL para correr com esta corja que transformou Portugal num país de pedintes. Sacaram para proveito do amiguismo, sem o mínimo pudor, todas as economias nacionais. É preciso que dêem o fora, já. Depois é preciso moralizar o regime, mudar a Constituição para que estes roubos não se repitam. Haja Justiça!(?)
"

É preciso ter “lata” para pedir “voto útil” no PS…
Estará a ver-se ao ESPELHO ao fazer tais declarações?

Por favor, responda ao apelo!



Como o professor Campos e Cunha diz «esta eleição é um verdadeiro referendo a Sócrates, que nos levou à bancarrota e à mendicidade internacional. Como Carlos Fiolhais defendeu, a democracia também serve para afastar os que não servem: e Sócrates não serviu nem vai servir. "Se a escolha em Portugal fosse, por hipótese, entre o actual primeiro-ministro e o Rato Mickey, eu não hesitaria em votar no boneco da Disney."»

Por isso não me falem em votos em branco (quando não se tem a certeza na escolha num partido) e em estados de alma (em acordo com estranhos desígnios da perfeição humana) que significam muito para as nossas consciências, mas nada interessam para tirar o País da vertigem em que estamos a rodopiar e que não tem qualquer efeito prático na solução de que o País precisa.

Sempre achei graça a anteriores arautos das votações em "Males Menores" e em "Ter de engolir sapos" para conseguir travar o "fantasma da direita" agora virem outra vez com a cantata do voto em branco, só para darem mais uma oportunidade ao Sr. Sócrates que decerto não recomenda aos seus apaniguados que para ficarem com a consciência tranquila, devam ir votar em branco (isso é que era bom)! Mas antes pelo contrário, quer é que todos vão votar PS, os do próprio partido, os das novas oportunidades e outros, bafejados pela "sorte grande" socialista.


JPP