"Vós que lá do vosso império, prometeis um mundo novo...CUIDADO, que pode o povo, querer um mundo novo a SÉRIO!" In: António Aleixo

29/05/2012

Montra da Vaidade



Num mundo de egoísmo, 
milhões morrem de fome. 
Em período Natalício, 
passam pela montra do cinismo, 
todos os caciques, com nome. 
Boys, girls e outros eleitos, 
que se mostram solidários, 
com a pobreza e a desgraça. 
Na vitrina da tristeza, 
de muitos , que nada têm à mesa! 
Enquanto outros, têm demais. 
É na montra do cinismo, 
que se vêm, os figurões. 
Na tentativa de mostrar ao mundo, 
a sua solidariedade. 
Falsa, mas aparente! 
Porque é ilusória! 
Sendo na verdade, 
um reflexo de ilusões... 
um disfarce de emoções! 
Tudo pela notoriedade,
reflectida, na montra da vaidade! 


Publicada por Saozita em  SEMPRE JOVENS a 8/17/2010

2 comentários:

Ana Martins disse...

Luís, boa noite!
Já conhecia este poema de autoria do meu irmão Victor Simões. O triste aqui, é que ele continua actual.
Os anos passam, mas a ganância e a cegueira pela fama, não!

Beijinho,
Ana Martins

Luis disse...

Minha Querida Amiga Ana Martins,
É como diz... este poema está infelizmente muito actual!
Obrigado pela sua visita eu que tenho andado faltoso...
Beijinhos muito amigos.