"Vós que lá do vosso império, prometeis um mundo novo...CUIDADO, que pode o povo, querer um mundo novo a SÉRIO!" In: António Aleixo

23/06/2010

COMO FICARÁ A CHINA DO FUTURO?

A verdade é que a maioria do que compramos é made in China! Eis um aviso para o futuro!
Quem liga a esse aviso? Ninguém! Agora, é só aproveitar! E depois para os nossos filhos?

*Alguns conhecidos, voltaram da China impressionados...
*Um determinado produto que o Brasil fabrica em um milhão de unidades, uma só fábrica chinesa produz quarenta milhões.
*A qualidade já é equivalente. E a velocidade de reacção é impressionante.
*Os chineses colocam qualquer produto no mercado em questão de semanas.
*Com preços que são uma fracção dos praticados aqui.
*Uma das fábricas, está de mudança para o interior, pois os salários da região onde está instalada estão altos demais: 100 dólares, estamos perante uma escravatura amarela... alimentando-a. Horas extraordinárias?!... Na China?!... Esqueça! O pessoal por lá é tão agradecido por ter um emprego que trabalha horas extras, sabendo que nada vai receber por isso...

Essa é a grande armadilha chinesa. Não se trata de uma estratégia comercial, mas sim de uma estratégia de poder.

Os chineses estão tirando proveito, da atitude dos PROMOTORES DE MARCAS ocidentais, que preferem terceirizar a produção e ficando apenas com o que ela "agrega de valor": A marca.

As Empresas ganham rios de dinheiro comprando dos chineses por centavos e vendendo por centenas de dólares... Apenas lhes interessa o lucro imediato e a qualquer preço.

Mesmo a custo do encerramento das suas fábricas. É o que se chama de "estratégia preçonhenta". Enquanto os ocidentais terceirizam as tácticas e ganham a curto prazo, a China assimila essas tácticas para dominar no longo prazo.

Enquanto as grandes potências de mercado ficam com as marcas, com o design... Os chineses estão ficando com a produção, assistindo e contribuindo para o desmantelamento dos já poucos parques industriais ocidentais.

Em breve, por exemplo, já não haverá mais fábricas pelo mundo ocidental... Só as haverá na China!

Num futuro próximo veremos os produtos chineses aumentando os seus preços, produzindo um "choque da manufactura", como aconteceu com o choque petrolífero nos anos setenta.

Então já será tarde de mais... E o mundo perceberá que reerguer as suas fábricas terá um custo proibitivo e irá render-se. Perceberá que alimentou um enorme dragão e que dele ficou refém... Dragão que aumentará ainda mais os preços, já que será ele, quem ditará as "novas leis de mercado" pois quem manda é ele.

É ele e apenas ele, quem possui as fábricas, inventários e empregos. É ele quem vai regular os mercados e não os executivos ( da "mão- de- obra barata / lucro fácil " ) os "preçonhentos".

Iremos, nós e os nossos filhos, assistir a uma inversão das regras do jogo que terão impacto de uma bomba atómica... chinesa! Nessa altura é que o mundo ocidental irá acordar... mas já será tarde!

Nesse dia, os executivos os "preçonhentos"... Olharão tristemente, para os esqueletos das suas antigas fábricas, para os técnicos aposentados jogando bocha na esquina, para as sucatas dos seus parques fabris desmontados, etc. E lembrarão, com muitas saudades, o tempo em que ganharam dinheiro comprando baratinho dos "escravos chineses", vendendo caro aos seus conterrâneos. E então, entristecidos, abrirão suas "marmitas" e almoçarão as suas marcas que já deixaram de ser moda e, por isso, poderosas...

PEDE-SE A TODOS QUE REFLICTAM E COMEÇEM A COMPRAR - JÁ - PRODUTOS DE FABRICO NACIONAL, FOMENTANDO O EMPREGO DO SEU SEMELHANTE, DO SEU AMIGO, DO SEU VIZINHO E ATÉ MESMO O SEU...

(Luciano Pires, director de marketing da Dana e profissional de comunicação)

Entretanto vejam isto que é, no mínimo, uma selvajaria.

O mundo está completamente louco!. Na China não abundam creches, nem a esmagadora maioria das pessoas têm meios para as pagar. Então o que acontece a trabalhadores, homens e mulheres, com bebés? Fácil. Amarram os filhotes junto às instalações das fábricas e vão trabalhar. E os bebés ficam assim, como as fotos documentam. Em alguns casos ainda permitem que os bebés fiquem amarrados à vista de mães e pais. Mas o habitual é ficarem fora de vista... Incrível!








10 comentários:

Luís Coelho disse...

As imagens são chocantes.
O nosso mundo está cada dia pior e mais agressivo em todos os campos.
Um abraço de muita amizade

Elcio Tuiribepi disse...

Olá Amigo...obripelo comentário lá no Espaço Aberto...realmente os produtos da China avançam de forma impressionante no mercado seja europpeu, americamo e outro qualuer, mas este é o preço do desenvolvimento...uma escravidão...
Execelente postagem...
Um abraço na alma

Luis disse...

Meus Bons Amigos,
Realmente o mundo anda louco! É o vil metal a comandar a vida de todos nós... Até quando aceitamos este estado de coisas? Quando acordarmos seremos todos escravos!!! E tanto se fala de Liberdades... mas é só para alguns!!!
Um abraço amigo.

Luís Coelho disse...

Deu um Luís para outro Luís.
Tenho sido visita aqui do teu espaço já lá vai um tempo mas ainda não estava como teu seguidor.
Hoje que apareceste lá por casa venho retribuir-te a visita e os cumprimentos.
Um abraço e vai lembrando essas situações porque:
=Vêmos ouvimos e lêmos
não podemos ignorar=

Carlos Albuquerque disse...

Pois é, Amigo Luís, chocante!
Mais chocante, ainda, é sabermos que todas as multinacionais estão a fabricar os seus produtos na China, conhecendo, naturalmente, a situação, mas com isso não se importando porque o lucro é a sua "Bíblia".
Chamam-lhe a "Oficina do Mundo"!
Veja-se com que luvas de pelica os Estados Unidos (sempre tão ciosos na defesa dos Direitos Humanos)tratam a China...As maiores reservas de dólares do mundo estão na China...
Enfim!
O que fazer?!
O outro mundo, o nosso, aquele que queremos, adormeceu.
Ainda agora, com o mundial de futebol, o planeta (não só a África do Sul) foi inundado pelas vuvuzelas "made in China"!
Um grande abraço

Luis disse...

Amigos,
Já nos esquecemos que no Euro 2004 as nossas bandeiras também eram made in China e umas tinham o escudo ao contrário e outras em vez de castelos tinham "pagodes"!
Tudo isto vai acontecendo até sermos "cilindrados" por eles e, depois, não se queixem!!!
Um abraço amigo.

A. João Soares disse...

Caro Luís,
Como dizes em consonância com os anteriores comentadores, o mundo está louco. Louco de verdade.
Como disse, há dias, noutro comentário, «desde a época da pedra lascada, paleolítico, tem havido evolução nas tecnologias (televisão, telemóvel, etc), mas na alma dos homens tem havido degradação, na maneira de encarar a vida, a Natureza, os outros. As relações em família, em grupo e em sociedade estão de tal forma degradadas que já temos muito a aprender com os animais da selva de que frequentemente se vêm imagens das televisões».
Porém, este texto contra a China é horrivelmente tendencioso, escrito por alguém que está habituado a defender a sociedade do lucro exagerado que não reverte para remuneração justa à mão-de-obra, mas sim para o enriquecimento dos donos das empresas que não dispensam as mansões, os caros de luxo, os jatinhos, o consumismo de luxo.
A China deve ser observada, tendo em vista a sua história. No tempo do Império do Meio, o seu desenvolvimento deu ao mundo inventos que ainda hoje são úteis. Depois teve um largo período de apagamento no seu pacifismo atacado pela Mongólia e pelo Japão. O fracasso da revolução maoísta serviu de vacina para reestruturar o País de forma cautelosa, persistente que tem dado bons frutos, apesar da grande extensão, do excesso de população e da sua grande diversidade de problemas.
Quando a União Soviética implodiu, receava-se que acontecesse algo de muito grave na China, o que seria perigoso para todo o mundo, mas a sensatez serena e eficiente dos governantes levou a medidas eficientes que fizeram a China crescer economicamente a um ritmo único no mundo moderno. Aprendeu o que de melhor encontrou nas regras do capitalismo ocidental.
O autor do texto, que defende a regra de que o lucro a qualquer custo é símbolo de modernidade, condena a China de estar a utilizar as regras ocidentais a seu modo e estar a orientar-se para o desenvolvimento económico. É uma contradição sua, que descredibiliza o texto.
(CONTINUA)

Abraço
João

A. João Soares disse...

Caro Luís,

(CONTINUÇÃO)

Não concordo com o conselho de preferirmos produtos fabricados no nosso País, pois o consumidor deve ser livre de comprar o que mais lhe interessar em qualidade e preço, seja qual for a origem, pois é essa a lei da globalização que os ocidentais criaram. Por outro lado o facto de ser cá fabricado, não quer dizer que os lucros beneficiem o País, pois o capitalista pode ser estrangeiro ou, sendo nacional,, pode depositá-lo numa off-shore ou paraíso fiscal longínquo. Por seu lado, os trabalhadores são na sua quase totalidade estrangeiros que enviam para a terra quase todo o salário. Os portugueses não sentem a obrigação de trabalhar e candidatam-se a assessores, deputados ou outro género de parasitas e, se o não conseguem, procuram viver de subsídios – há-os para todos os gostos – sem nada criarem para a riqueza nacional.
Falta aos empresários ocidentais a capacidade de adaptação aos novos tempos como os chineses têm feito desde há várias décadas. É preciso que nós os ocidentais passemos a raciocinar e aplicar quotidianamente os valores éticos e saibamos equacionar os problemas da melhor forma com respeito pelos outros, sejam de onde forem.
Quanto á imagens das crianças, não são realmente muito edificantes, mas há por cá casos menos humanos. Até recentemente, nas aldeias, os pais iam trabalhar para o campo deixando as crianças fechadas em casa sem apoio nem comodidade. Já tem havido notícias de crianças asfixiadas por terem ficado fechadas no carro durante horas. Estas fotos da China mostram que há preocupação com a proximidade dos pais, que os observam com frequência e os miúdos observam que a vida é trabalho e vão aprendendo esse aspecto do civismo. Cá as crianças, pouco tempo após nascerem, apenas vêm os pais durante poucos minutos no fim do dia e, nas creches e jardins de infância, recebem o cuidado mínimo para não se ferirem e serem devolvidas em bom estado no fim do dia. Uns com os outros, sem educação cívica de adultos, só aprendem a desenvolver os piores instintos. Portanto, à luz dos conceitos, a diferença não é grande. Do ponto de vista humano, certamente, estas fotos não são uma amostra válida da média dos chineses.
É preciso ter respeito pelos que são diferentes de nós. «Amai-vos uns aos outros», e os outros são os diferentes. A China tem tradições diferentes mas tem evoluído aproveitando o que de melhor vê no mundo. Assim Fossem os ocidentais!!! Mas não são e querem torpedear quem, se ergue acima da mediocridade do Ocidente.

Abraço
João

A. João Soares disse...

Caro Luís,

Depois de me ter excedido no espaço ocupado, verifiquei que este texto devia ser publicado em post e está no
Do Miradouro, com o título
A China em fase de evolução rápida

Está à vontade para lá fazeres um ataque dos teus...

Um abraço
João

Luis disse...

Meu Caro João,
Só contraponho que há países como o Japão, a Formosa e a Coreia do Sul que se estão desenvolvendo nessa mesma área e assim não procedem!Só a China continental e a India têm procedimentos desta natureza!!! Acho que se o artigo pode ter algo de tendencioso o teu comentário também o terá! Desculpa-me a minha opinião, mas como sabes sou frontal nas minhas apreciações!
Um abraço amigo ainda que discordante.