"Vós que lá do vosso império, prometeis um mundo novo...CUIDADO, que pode o povo, querer um mundo novo a SÉRIO!" In: António Aleixo

10/01/2011

Que canalha tem este meu País!‏


Comandante da GNR subiu 1137 euros o seu salário. A crise não é para todos nas forças de segurança. Os generais já se aumentaram.
O comandante-geral da GNR, Luís Nelson Santos, e o seu 2.º comandante, Augusto Cabrita, aumentaram os seus ordenados em 1137 euros e 220 euros, respectivamente, no passado mês de Novembro. O despacho oficial, subscrito pelo próprio comandante-geral, permitiu ainda que lhes fossem pagos retroactivos a Janeiro de 2010, não só em relação ao vencimento-base como também nos suplementos. Desta forma, com um salário-base de 4857 euros, Nelson Santos, que deixa o cargo na próxima terça-feira, recebeu uma prenda de Natal inesquecível: um vencimento líquido de 15.593 euros, que inclui também o aumento do seu salário, indexado ao ordenado-base, enquanto presidente não executivo dos Serviços Sociais
O número dois na hierarquia da GNR, seu 2.º comandante, também não sentiu os sacrifícios pedidos pelo ministro das Finanças a milhares de funcionários públicos, incluindo a todos os profissionais das forças de segurança. Este oficial-general recebeu 8922 euros. Estes aumentos foram decididos depois de Teixeira dos Santos ter ordenado o seu congelamento.
O ministro da Administração Interna, Rui Pereira, afasta responsabilidades. "A fixação das referidas remunerações decorre da lei, sendo processadas pela instituição", responde o seu gabinete.
O porta-voz oficial da GNR alega que estas remunerações foram "fixadas" de acordo com os "desempenhos funcionais" daqueles oficiais-generais, de acordo com o decreto-lei que define o novo regime remuneratório da GNR, aprovado em Janeiro de 2010.
O problema é que esta tabela, que prevê aumentos em todos os postos, não foi ainda aplicada à esmagadora maioria dos militares da GNR, e esse facto tem sido alvo de fortes críticas das associações representativas. Por isso, na GNR este caso dos aumentos aos responsáveis máximos está a provocar um grande sentimento de revolta e indignação

Nota: A falta de vergonha já chegou aos Militares, pois num momento em que se pede contenção nas despesas públicas dois oficiais generais não se coibiram de se aumentarem escandalosamente e ainda para mais com efeitos retroactivos! Estamos num autentico lamaçal... Ao que chegamos ... É ver quem saca mais!!! Belos tempos em que os militares eram exemplo para a Nação!!!


4 comentários:

Luís Coelho disse...

Não dá para comentar nada.
É tudo tão asqueroso e de baixo nível que qualquer coisa que se diga não conseguirá traduzir a minha indignação.

Graça Pereira disse...

~Meu Querido Amigo

O Navio afunda-se e os ratos são os primeiros a abandoná-lo...mas vão com os bolsos cheios!!! Os outros...quem são? O País...já não existe!
Não sei de que forma havemos de sair deste atoleiro...com "portugueses" assim...
Beijo
Graça

A. João Soares disse...

Caro Luís,

No Banco de Portugal e noutras empresas e instituições do Estado, os administradores têm competência para decidir as remunerações e outras mordomias, o que acho muito mal. Mas nunca pensei que os generais usufruíssem das mesmas capacidades para se abotoarem com o dinheiro público a seu gosto.
Conclusão: estamos num país de ratos,em que os que se aproximam do bolo ratam quanto podem, sem respeito pelos donos, os contribuintes.
Quando vi a notícia fiquei boquiaberto. Ainda me custa a acreditar.

Abraço
João
Do Miradouro

Luis disse...

Meus Queridos Amigos,
Também eu não queria acreditar mas pelos vistos não só não foi contestada como ainda foi corroborada por responsáveis! Na verdade a crise instalada é de Valores e arrasta-nos para um lamaçal sem fundo estilo areias movediças onde todos nós nos afundaremos! O Rei vai nu e já ninguém se importa...Pois leva os bolsos bem cheios!
Um forte e amigo abraço.