"Vós que lá do vosso império, prometeis um mundo novo...CUIDADO, que pode o povo, querer um mundo novo a SÉRIO!" In: António Aleixo

17/12/2009

ENTÃO E EU...


" ENTÃO E EU, TODO O MUNDO ME ESQUECEU?"
Mulheres atarefadas
Tratam do bacalhau,
Do peru, das rabanadas.
-- Não esqueças o colorau,
O azeite e o bolo-rei!
- Está bem, eu sei!
- E as garrafas de vinho?
- Já vão a caminho!
- Oh mãe, estou pr'a ver
Que prendas vou ter.
Que prendas terei?
- Não sei, não sei...
Num qualquer lado,
Esquecido, abandonado,
O Deus-Menino
Murmura baixinho:
- Então e Eu,
Toda a gente Me esqueceu?
Senta-se a família
À volta da mesa.
Não há sinal da cruz,
Nem oração ou reza.
Tilintam copos e talheres.
Crianças, homens e mulheres
Em eufórico ambiente.
Lá fora tão frio,
Cá dentro tão quente!
Algures esquecido,
Ouve-se Jesus dorido:
- Então e Eu,
Toda a gente Me esqueceu?
Rasgam-se embrulhos,
Admiram-se as prendas,
Aumentam os barulhos
Com mais oferendas.
Amontoam-se sacos e papeis
Sem regras nem leis.
E Cristo Menino
A fazer beicinho:
- Então e Eu,
Toda a gente Me esqueceu?
O sono está a chegar.
Tantos restos por mesa e chão!
Cada um vai transportar
Bem-estar no coração.
A noite vai terminar
E o Menino, quase a chorar:
- Então e Eu,
Toda a gente Me esqueceu?
Foi a festa do Meu Natal
E, do princípio ao fim,
Quem se lembrou de Mim?
Não tive tecto nem afecto!
Em tudo, tudo, eu medito
E pergunto no fechar da luz:
- Foi este o Natal de Jesus?!!!

João Coelho dos Santos in Lágrima do Mar - 1996
Poeta e historiador
Autor de, entre outros livros, “História e Poesia de Portugal”

Também publicado no blogue "A Casa da Mariazita"

5 comentários:

Mariazita disse...

Ó meu querido amigo, então eu havia de levar a mal que publicasse aqui o mesmo poema que publiquei na "Casa" ???!!!
Pelo contrário, sinto-me lisongeada; prova que temos ambos bom gosto e sensibilidade para estes assuntos.

Um dia muito feliz.

Beijinhos
Mariazita

aprendiz-de-mim disse...

É assim mesmo, amigo, e isso é muito revoltante e triste.
Bjo na alma!

Luis disse...

Queridas Amigas,
Acreditem que quando acabo de ler este poema fico com os olhos rasos de lágrimas. è que me lembro dos meus 8/9/10 e mais anos da minha adolescência em que o Presépio era o centro de atenções do Natal em nossas casas! Que diferença para agora... O materialismo impera e desespera!
Beijinhos do coração e um Xi muito apertado.

Fernanda disse...

Querido amigo Luís,

É assim...exactamente assim que a maioria das pessoas sente o Natal.
Pena, muito triste mesmo!
Acho que se perguntarmos às crianças e a muitos adultos o que é mesmo o Natal elas não saberão a resposta!!!

Não conhecia o poema, adorei!
Como sempre a sua sensibilidade vem ao de cima.
Obrigada amigo por este momento.

Beijinhos

Luis disse...

Querida Ná,
A sua sensibilidade e solidariedade sempre que aparece é visivel, merece a Familia que tem e como lhe disse nouro comentário desejo que o Pedro possa estar presente neste Natal. Era a prenda que ambicionava, não era?
Um beijinho muito grande.