"Vós que lá do vosso império, prometeis um mundo novo...CUIDADO, que pode o povo, querer um mundo novo a SÉRIO!" In: António Aleixo

09/06/2009

Dê valor ao seu dinheiro

O post «Para nossa reflexão» faz pensar sobre a propaganda aliciadora para preferir produtos nacionais, com 560 no código de barras. Penso que o melhor conselho que contribui para uma boa gestão do nosso dinheiro e para o desenvolvimento da economia de Portugal, é darmos preferência ao produto que mais nos interessa em preço/qualidade.

Se uma indústria nacional não pode competir com a estrangeirara que tem de pagar transportes para trazer o produto até nós, algo está errado na sua forma de agir e não se deve alimentar o erro ou a incompetência, mas sim, incentivar o seu aperfeiçoamento.

Uma empresa que empregou mal os subsídios vindos da CEE para modernizar a produção a fim de poder competir com a europeia, que em vez de melhorar os equipamentos e a organização laboral, comprou casa e carros de topo de gama e fez piscinas e outros consumos de ostentação, se apenas quis enriquecer, desprezando os interesses da mão-de-obra e esperando explorar a credulidade do cliente, não deve esperar deste preferências injustificadas.

Se não conseguir organizar-se para suportar a concorrência, a única solução será mudar de ramo.

Não se deve explorar o patriotismo de cada um para o prejudicar. Cada um deve saber dar valor ao seu dinheiro e não o esbanjar. Compreendo o conselho PREFIRA PRODUTOS NACIONAIS e sigo-o, em todas as circunstâncias, em que haja iguais condições de preço/qualidade. Quando estas condições não existirem, não há lugar para preferências, mas apenas para a lógica, a racionalidade.

2 comentários:

Fernanda Ferreira disse...

Querido Luís,

Como diz o outro, que por acaso gosto muito, para este santo já eu dei...ahahahahah! Estou tão feliz, só me apetece rir, por isso vim até aqui novamente.

Quanto a este tema,estou 100% de acordo, sem dúvida alguma.
Os nossos empresários querem ganhar tudo num dia...lá diz o ditado, quem tudo quer tudo perde.

Beijinhos,
Fernanda Ferreira

A. João Soares disse...

Querida Ná,
Mas o povo, desprotegido, sem camuflagem nem blindagem, nem máscara, continua a ser bombardeado com publicidade que apenas tem a finalidade de enriquecer mais os que já são ricos, à custa da exploração dos que menos possuem.
A crise não abriu os olhos aos responsáveis para a necessidade de alterar o sistema capitalista e volta à carga para reconstruir o que já deu provas de necessitar de uma profunda alteração. Teimam em manter o rumo. Com a sua pequena clarividência ou má intenção, teimam em correr sem verem que vão na direcção errada, ignorando a conveniência de Parar para pensar.
Abraço
João