"Vós que lá do vosso império, prometeis um mundo novo...CUIDADO, que pode o povo, querer um mundo novo a SÉRIO!" In: António Aleixo

27/03/2010

Comunicação do Presidente da Força Emergente para 2010

Depois de ouvir estas declarações não se pode ficar inactivo! Precisamos de olhar em frente e lutar se quizermos um Futuro para os nosso filhos e netos! Todas as políticas actuais levam Portugal para um caos de onde será difícil sair, mesmo com todos os sacrifícios que se tomem para inverter tal estado de coisas. Acordem mentes adormecidas pelas drogas que estes (des)governantes nos têm dado em doses maciças!!!

4 comentários:

Sandra disse...

BOA TARDE!!!!

SÓ vc é capaz de preenceher todo o meu coração Virtual.
Muito obrigada pela visita.
Retribuir é um ato de Amor.
Por isso venho te dizer que que sou muito feliz Com os seus comentários E CARINHOS POR LÁ REGISTRADOS.
Curiosa e demais blogs, só tem é agradecer pela sua imensa amizade. Construimos juntos este laço de Amizades, de Carinho e Afeto E SINCERIDADE.MUITO VERDADEIRA.
Sou feliz com a sua companhia e afeto. As vezes demoramos, PARA VISITAR, mas contra a nossa vontade. Porque a vida Real. é intensa. Não podemos fugir dela.
Deixo um grande carinho e um forte abraço, cheio de Luz e Paz.
Quando vim na curiosa, passe pela interação de amigos e tome o seu cafezinho..
Agradeço imensamente o seu Amor..
Tenha um lindo Final de Semana.
Carinhosamente,
Sandra

Não esqueço..Posso demorar..mas venho..VOCÊ MORA DENTRO DO MEU CORAÇÃO.NÃO NO LADO..MAS SIM BEM NO MEIO DELE.

A. João Soares disse...

Caro Luís

José Maria Martins é um homem com ideias bem esclarecidas, frontal e patriota que merece ser ouvido e ter a nossa esperança de que venha a contribuir para evitar que Portugal atinja uma situação catastrófica, sem regresso.

É certo que, durante séculos, o Poder e as suas alterações eram obra de uma pequena minoria que impunha as suas decisões à massa populacional que, feudalmente, se submetia aos destinos que lhe eram impostos. Porém, os ideais dos tempos presentes estão condenados ao insucesso se não tiverem o apoio activo da generalidade da população. E ela, quando bem motivada, sabe organizar-se e produzir resultados que pareciam impossíveis. Foi o caso da recente campanha de LIMPAR PORTUGAL que criou núcleos em todas as freguesias e conseguiu pôr em cheque a incompetência, a incapacidade, o desleixo, a irresponsabilidades e outros vícios das autarquias que deixaram chegar o ambiente a um estado deplorável e, dessa forma colectiva, mostrar que o povo pode pode estar consciente do efeito da sua força.

E a campanha LIMPAR PORTUGAL foi desenvolvida à margem de organizações ecológicas, que se revestem de teorias douradas com palavras indecifráveis pela população e que se mostraram incapazes de evitar a proliferação de lixeiras por todo o lado e de exigir às autarquias a sua limpeza. Ficámos a saber que são um bluf de pretensos intelectuais que desprezam as realidades do terreno.

Isto serve para alertar a FE para que, se queremos alterar uma situação, não podemos usar os métodos já desacreditados pelo poder ainda vigente. Há que criar algo de novo, usando ferramentas novas. E a ferramenta usada por LIMPAR PORTUGAL mostrou ser eficiente. Foi uma operação que nasceu por baixo, definiu objectivos, planeou, programou, apoiou-se logisticamente e executou de forma eficiente, apesar da criminosa indiferença de algumas autarquias que continuaram a mostrar o nada que valem.

Este exemplo pode ser utilizado pela FE: não se deixar prender a «intelectuais» que só querem mostrar a face e criar fama, sendo indispensável trabalhar as bases, mas as que não estejam amarradas aos partidos, àqueles que votaram unanimemente a lei do financiamento dos partidos.

A sociedade tem que se organizar para ter força, e tem que romper com os métodos já viciados pelo actual sistema. E enquanto não houver mudança deste, é preciso não hesitar em DENUNCIAR activamente, com o máximo de public8idae, as irregularidades, imoralidades, desleixos do Poder, obrigando a correcções do rumo do País, nos mínimos pormenores. É preciso fazer a lista das lixeiras, dos podres que infectam o pântano em que nos atolaram. É preciso desenvolvar as pequenas acções que contribuam para LIMPAR O PAÍS. Não esquecer que os grandes resultados resultam de pequenos gestos, persistentes, insistentes repetidos, com convicção, começando nas realidades locais.

O diagnóstico da doença do País está feito por várias pessoas de pensamento honesto e patriótico, e a terapêutica está esboçada, estando à espera de ser aplicada, com discernimento, sensatez e coragem para controlar e evitar desvarios provocados pelos viciados no actual Poder e dele beneficiados.

Aconselho que se ouçam atentamente e se meditem as palavras de José Maria Martins.

Um abraço
João

Luis disse...

Caro João,
Se queremos Limpar Portugal politicamente falando temos que aprender com o que foi feito para o lixo... É como dizes organizar esta operação completamente fora dos partidos vigentes pois todos eles estão minados nos vicios que queremos combater!!!
Terá que ser um movimento civico de base mas muito bem planeado e organizado para que o "dia seguinte" não venha a ser aproveitado por quem não queremos que o faça!!! Situação que se verificou no 25 de Abril...
Um abraço amigo e solidário.

Luis disse...

Querida Sandra,
Desculpe ser tão tardia a resposta às suas amáveis e queridas palavras!
Acredite que gosto de visitar o seu blogue pois tem sempre algo interessante para ler e comentar.Aproveito para lhe desejar uma Santa e Feliz Páscoa na comoanhia dos seus entes queridos.