"Vós que lá do vosso império, prometeis um mundo novo...CUIDADO, que pode o povo, querer um mundo novo a SÉRIO!" In: António Aleixo

31/03/2010

Bliblioburro

Uma forma simples mas muito simpática de levar os livros para zonas de difícil acesso!!!

30/03/2010

Atentados suicidas no Metro de Moscovo‏

Todos somos contra a violência em geral.
E contra a forma de resolver problemas políticos através do terrorismo.
Mas, no caso da Rússia, parece que se virou o feitiço contra o feiticiero.
Não podemos esquecer que o terrorismo foi aplicado em grande escala pela União Soviética como forma de expandir e consolidar o comunismo em todo o mundo.
E não venham agora dizer que Rússia não é igual a URSS.
Os seus actuais líderes políticos - e também os que acumularam gigantescas fortunas na implosão da URSS - foram serventuários do regime, que aproveitaram para se eternizarem no poder.
Lamentável é ser o povo a pagar a factura - como, aliás, sempre acontece.
Alberto Ribeiro Soares
Coronel


No site do Expresso
ACTUALIDADE
Atentados suicidas no Metro de Moscovo
Mulheres suicidas que causaram duas explosões no Metro de Moscovo transportavam três quilos de explosivos cada uma. Balanço actual dos atentados aponta 35 mortos e 33 feridos.
mais Actualidade


RESPONSABILIDADE SOCIAL – OPERAÇÃO NA MADEIRA REFORÇA A IMAGEM DAS FORÇAS ARMADAS‏


A participação das Forças Armadas Portuguesas no apoio às autoridades da Região Autónoma da Madeira na sequência da calamidade que se abateu sobre parte da cidade do Funchal e da principal ilha do Arquipélago, é o pano de fundo de mais este artigo de Patrícia Marcelino. Volta a um tema que já abordou aqui no “Operacional”, o da Responsabilidade Social, ao mesmo tempo proporciona aos leitores uma visão do que foi o empenhamento militar nas terríveis horas e dias que a população da Madeira viveu. Advoga ainda o reforço da comunicação institucional nestas circunstâncias e explica porquê.
http://www.operacional.pt/responsabilidade-social-%E2%80%93-operacao-na-madeira-reforca-a-imagem-das-forcas-armadas/


Miguel Silva Machado
http://www.blogger.com/www.operacional.pt

29/03/2010

Ainda as viagens de Inês Medeiros


Está assente: Inês de Medeiros, deputada independente do PS, burlou os portugueses. Residente em Paris, a actriz e realizadora, portanto artista com queda para a ficção, apresentou uma morada lisboeta para ser eleita. E mal se viu no Parlamento, ainda por cima na direcção da bancada, toca de ir exigir aos serviços bilhetes de executiva, ida e volta, para Paris, todo o santo fim-de-semana.
É um escândalo, tanto mais que viagens para Paris em executiva custam um dinheirão (agora não me lembra quanto, mas é uma fortuna, já vi escrito num jornal), e claro que alguém com sentido de justiça o denunciou e agora a Assembleia da República anda há meses a remoer o assunto, com o respectivo conselho de administração a pedir relatórios aos serviços e a remeter o assunto para o presidente Jaime Gama, que o mandou para trás (ou seja, recusou decidir), levando o conselho de administração a pedir um parecer jurídico. Ora se a deputada enganou a República, com a activa cumplicidade do PS, que pode haver para decidir? De que raio está Gama à espera para admoestar o partido e a burlona?
Não será mesmo isto um caso de polícia - falsificação de documentos, e assim?

VER CRÓNICA NO DN:
http://dn.sapo.pt/inicio/opiniao/interior.aspx?content_id=1528542&seccao=Fernanda%20C%E2ncio&tag=Opini%E3o%20-%20Em%20Foco
Ainda bem que não vive em Marte!


28/03/2010

As 9 respostas de um Sábio


“Um sofista aproximou-se de Tales de Mileto, e tentou confundi-lo com as perguntas mais difíceis. Mas o Sábio estava à altura da prova, respondendo a todas sem vacilações, e com a maior exactidão.”

Eis as perguntas e as respectivas respostas:

1. P- O que é o mais antigo?
R- DEUS, porque sempre existiu.
2. P- O que é mais belo?
R- O Universo, porque é obra de DEUS.
3. P- Qual a maior de todas as coisas?
R- O Espaço, porque contem tudo do Criador.
4. P- O que é mais constante?
R- A Esperança, porque permanece no homem, mesmo depois de ter perdido tudo.
5. P- Qual a melhor de todas as coisas?
R- A Virtude, porque sem ela não existiria nada de bom.
6. P- Qual é a coisa mais rápida de todas?
R- O Pensamento, porque em menos de um minuto, podemos voar até ao fim do Universo.

7. P- Qual é a coisa mais forte de todas?
R- A Necessidade, porque é com ela que o homem enfrenta todos os perigos da vida.
8. P- O que é o mais fácil de todas as coisas?
R- Dar Conselhos.
9. P- O que é o mais difícil?
R- Conhecer-se a Si Próprio.

Esta sua última resposta talvez não tenha sido entendida pelo seu mundano interlocutor.

5.000 Anos de História


http://www.brturbo.com.br/cultura/especiais/retrospectiva/

Passe o mouse em cima das palavras amarelas que aparecerão imagens históricas.
As palavras na cor de Abóbora São para destaques especiais.

Enviado por e-mail, pelo Amigo Fernando Rezende

Atenção! Cuidado com o Robot…


Um homem chega a casa depois do trabalho, com um robot que detecta mentiras.
Chega o filho dele, 2 horas atrasado depois de sair da escola.
- Onde andaste tu? Pergunta o pai
- Estive na biblioteca a fazer trabalhos de casa!
E zuca, o robot vai ter com o puto e prega-lhe um valente tabefe!
O pai explica:
- Filho, este robot detecta mentiras. É melhor dizeres a verdade...
- OK, estive em casa de um colega meu e vimos um filme: "Os 10 Mandamentos"...
E sai outra galheta no puto, dada pelo robot!
- Ai! - Diz o miúdo - Pronto, está bem, era um filme pornográfico...
Diz o pai:
- Envergonhas-me! Eu na tua idade nunca mentia aos meus pais!
E vai o robot e prega uma chapada, desta vez no pai...
A mãe, cansada de assistir àquela cena, vira-se para o marido e diz:
- Vê-se mesmo que é teu filho!...
PAF! O robot dá um valente tabefe na mulher...

27/03/2010

Comunicação do Presidente da Força Emergente para 2010

Depois de ouvir estas declarações não se pode ficar inactivo! Precisamos de olhar em frente e lutar se quizermos um Futuro para os nosso filhos e netos! Todas as políticas actuais levam Portugal para um caos de onde será difícil sair, mesmo com todos os sacrifícios que se tomem para inverter tal estado de coisas. Acordem mentes adormecidas pelas drogas que estes (des)governantes nos têm dado em doses maciças!!!

POR CÁ TAMBÉM SE "ABAFA" TUDO...

video

A falta de vergonha existe mas o que é preciso é "abafar"....

PORQUE OS HOMENS NÃO DEVEM COZINHAR... 2

video

Afinal tenho ou não tenho razão? Homens fora da cozinha já!!!

PORQUE OS HOMENS NÃO DEVEM COZINHAR...

video

Digam lá se não é razão suficiente para os pôr fora da cozinha...hehehehehe

COMO RESOLVER A INDISCIPLINA NAS ESCOLAS...


Prof.’s...a culpa é deles!
Neste momento, é óbvio para todos que a culpa do estado a que chegou o ensino é (sem querer apontar dedos) dos professores.
Só pode ser deles, aliás.
Os alunos estão lá a contragosto, por isso não contam.
O ministério muda quase todos os anos, por isso conta ainda menos.
Os únicos que se mantêm tempo suficiente no sistema são os professores.
Pelo menos os que vão conseguindo escapar com vida.
É evidente que a culpa é deles.
E, ao contrário do que costuma acontecer nesta coluna, esta não é uma acusação gratuita. Há razões objectivas para que os culpados sejam os professores.
Reparem: quando falamos de professores, estamos a falar de pessoas que escolheram uma profissão em que ganham mal, não sabem onde vão ser colocados no ano seguinte e todos os dias arriscam levar um banano de um aluno ou de qualquer um dos seus familiares.
O que é que esta gente pode ensinar às nossas crianças?
Se eles possuíssem algum tipo de sabedoria, tê-la-iam usado em proveito próprio.
É sensato entregar a educação dos nossos filhos a pessoas com esta capacidade de discernimento?
Parece-me claro que não.
A menos que não se trate de falta de juízo mas sim de amor ao sofrimento.
O que não posso dizer que me deixe mais tranquilo. Esta gente opta por passar a vida a andar de terra em terra, a fazer contas ao dinheiro e a ensinar o Teorema de Pitágoras a delinquentes que lhes querem bater. Sem nenhum desprimor para com as depravações sexuais - até porque sofro de quase todas -, não sei se o Ministério da Educação devia incentivar este contacto entre crianças e adultos masoquistas.
Ser professor, hoje, não é uma vocação; é uma perversão.
Antigamente, havia as escolas C+S; hoje, caminhamos para o modelo de escola S/M.
Havia os professores sádicos, que espancavam alunos; agora há os professores masoquistas, que são espancados por eles. Tomando sempre novas qualidades, este mundo.
Eu digo-vos que grupo de pessoas produzia excelentes professores: o povo cigano.
Já estão habituados ao nomadismo e têm fama de se desenvencilhar bem das escaramuças. Queria ver quantos papás fanfarrões dos subúrbios iam pedir explicações a estes professores.
Um cigano em cada escola, é a minha proposta
.
Já em relação a estes professores que têm sido agredidos, tenho menos esperança.
Gente que ensina selvagens filhos de selvagens e, depois de ser agredida, não sabe guiar a polícia até à árvore em que os agressores vivem, claramente, não está preparada para o mundo.
Ricardo Araújo Pereira em Opinião, Boca do Inferno, Revista Visão.

26/03/2010

José Régio


Surge Janeiro frio e pardacento,
Descem da serra os lobos ao povoado;
Assentam-se os fantoches em São Bento
E o Decreto da fome é publicado.

Edita-se a novela do Orçamento;
Cresce a miséria ao povo amordaçado;
Mas os biltres do novo parlamento
Usufruem seis contos de ordenado.

E enquanto à fome o povo se estiola,
Certo santo pupilo de Loyola,
Mistura de judeu e de vilão,

Também faz o pequeno sacrifício
De trinta contos só! por seu ofício
Receber, a bem dele... e da nação.

JOSÉ RÉGIO
Soneto (quase inédito), escrito em 1969 no dia de uma reunião de antigos alunos.

Publicado por MARA, no seu Blogue "Crepusculo"

25/03/2010

Deputado José Lello e a birra das fotos na Assembleia da República‏

Num passo pouco ético (sim, eu confesso, mas a concorrência 'oblige'), o nosso correspondente conseguiu MESMO tirar uma foto ao computador de José Lello!

E ela aqui está. Por isso, sem mais delongas:

«Senhor Presidente, Senhores deputados (não se preocupem, que eu estou de pé), ei-la aqui, em todo o seu esplendor, a razão da «birra» de José Lello:
Posteriormente fomos informados, pelos serviços de Assessoria da Assembleia da República, que a razão mais profunda da zanga de José Lello foi provocada pelo facto de o Deputado não ter ganho nenhum prémio durante a semana e ter perdido duas plantações, de milho e cevada, bem como viu ser-lhe roubado o balão de ar quente!

(Parece que a semana que aí vem vai ser mais complicada: a ASAE não aprovou a planta de estabilidade da nova mansão de José Lello e a escola está em avançado estado de degradação!)

Farmvillemente falando, claro!

...e assim vai o nosso dinheio.

Fitch baixa 'rating' de Portugal

A agência de classificação de crédito Fitch desceu hoje o 'rating' da dívida, de longo prazo, de Portugal de AA para AA-, com um 'outlook' negativa.

Consulte o comentário ao artigo em: http://dn.sapo.pt/inicio/economia/interior.aspx?content_id=1526921&postref_id=730662

Comentário:
O Pais está numa situação gravíssima; entretanto pagam-se autenticas fortunas a incompetentes e parasitas

Enviado por e-mail, pelo Amigo Alberto R. Soares

24/03/2010

PREVILÉGIOS INTOCÁVEIS... AINDA O PEC…

Segundo A Magalhães Pinto, Economista, em todo o PEC não há, tanto quanto se sabe até ao momento, uma única palavra, uma única medida, que possa afectar os privilégios intocáveis da Classe política. Por ventura foi propositadamente para que na discussão possam propor e decidir que se baixem os salários dos políticos em 5 ou 10% e com isso aparecerão na TV todos ufanos pelo enorme contributo que estão a dar para reequilibrar as finanças públicas portuguesas.
Mas o problema não se resume a isso. Tenha-se em atenção à quantidade “enorme” e qualidade do pessoal político que existe por aí, quer a nível central quer local, pago pelo suor dos portugueses que trabalham.
Assim, imagine-se que reduzíamos os deputados a metade e que se estes trabalhassem 40 horas por semana, poder-se-ia considerar para o efeito um salário mensal da ordem dos 6.800,00€, 14 meses por ano.
Se isso se desse, a economia para as finanças públicas seria de mais de 10 milhões de euros. Cerca de um décimo do que o estado pretende economizar com as medidas na função pública. Ainda segundo ele “ e, para fecharmos com chave de ouro, imagine-se que com tanta gente “graduada” lá dentro, a Assembleia ainda tem que recorrer a trabalhos especializados feitos fora dela, com o que se gastam 3.593.304 euros. Como o dinheiro é barato para a AR! Fala o PEC de alguma coisa relacionada com isto? Não. É privilégio intocável,”
Mas se, para além da Assembleia da República, multiplicássemos estas medidas pelas centenas de câmaras municipais e pelos milhares de juntas de freguesia que temos verificaríamos, ainda, melhores resultados.
O articulista a finalizar diz: “Peço respeitosamente que me perdoem, senhores governantes e demais políticos, mas Vossas Excelências deviam ter vergonha daquilo que dizem e fazem. Sem se debruçarem em primeiro lugar sobre o que se passa no vosso mundo, Vossas Excelências deviam ter pejo no nosso. Com atitudes destas não merecem um cêntimo de respeito por parte dos humildes, abnegados e cumpridores cidadãos portugueses que trabalham de sol a sol para que V. Exas. possam ser donos de privilégios intocáveis, como estes, mais medievais do que actuais”

Vida Económica, 12 de Março de 2010

LIMPAR PORTUGAL - Famosos ajudaram na limpeza

Margarida Vila-Nova, Patrícia Bull, João Manzarra, Carla Chambel e as Just Girls foram algumas das caras conhecidas que se assossiaram aos jovens membros da “Ordem das Asas” da Leopoldina e aos milhares de portugueses que ajudaram a limpar o Parque de Monsanto, em Lisboa. Esta Operação “Limpar Portugal”, juntou cerca de 100 mil voluntários que recolheram mais de 70 toneladas de lixo por todo o País.

Noticia no Destak de 23/03/2010

POEMA DE FERNANDO PESSOA

23/03/2010

DESISTA VOCÊ TAMBÉM

Para tudo, na vida, há um tempo certo: nem antes, nem depois.
Do mesmo modo que há um tempo certo para lutar e outro para recuar, também existem coisas pelas quais é imperioso lutar e outras que mais vale ignorar e delas desistir.
Veja o que, a este respeito, pensa Thais Cadorim

EU DESISTO...
por Thais Cadorim

“É isso mesmo, entreguei os pontos, não dá mais, acabou.”
Essa frase soa com tanta força, não é?
Mas é verdade, eu desisti mesmo.
De um monte de coisas.

Desisti de reclamar de quem não quer aprender. Decidi me concentrar em quem quer...
E se você olhar bem direitinho, perto de você tem um monte de gente sedenta de conhecimento.
Desisti de tentar emagrecer para ser igual a todo mundo.
Resolvi ter o peso que eu devo ter, por uma questão de saúde, por uma questão de bem estar. Só isso
Desisti de tentar fazer com que as pessoas pensem do jeito que eu gostaria que elas pensassem.
Achei melhor buscar respeitar o outro do jeito que ele é.
Imagina se o mundo fosse feito de milhões de pessoas iguais a mim...
Ah, isso ia ser um tormento.
Desisti de procurar um emprego perfeito e apaixonante.
Achei que estava na hora de me apaixonar pelo meu trabalho e fazer dele o acontecimento mais incrível da minha vida, enquanto ele durar.
Desisti de procurar defeito nas pessoas.
Achei que estava na hora de colocar um filtro e só ver o que as pessoas têm de melhor.
Defeito todo mundo acha, quero ver achar qualidades em quem parece não tê-las…
Desisti de ter o celular mais “psico-tecno-cibernético” do mercado. Agora eu só quero um telefone pra falar.
É muito frustrante comprar o mais novo modelo e dias depois ver que ele já foi superado. É pra isso que a indústria trabalha.
Aproveitei o gancho e apliquei o conceito também a outros produtos: relógio, computador, máquina fotográfica, carro.
Desisti de impor minha opinião sobre tudo.
Decidi que de agora em diante vou ouvir todas as opiniões, mesmo as contrárias, e vou tentar tirar proveito de cada uma delas.
É mais barato compartilhar as opiniões do que brigar pra manter só uma.
Desisti de ter tanta pressa. Tudo na vida tem seu tempo, e se não acontecer, não era pra acontecer.
Não quer dizer que eu vou “deixar a vida me levar” e parar de correr atrás do que eu acredito, mas não vou me desesperar se eu perder o vôo.
Sei lá o que vai acontecer com o avião...
Desisti de correr da chuva.
Tem coisa mais bacana que tomar banho de chuva?
Há quanto tempo você não sente aquele cheiro de terra molhada?
E se o resfriado chegar, qual o problema? Não vai ser o primeiro nem o último.
Desisti de estudar por obrigação. Agora eu faço da leitura um momento de prazer...
Cadeira confortável, pezão pra cima, um chocolate quente, minha gata ronronando do lado.
Os livros agora ficaram menores e mais fáceis, mesmo que seja a CLT ou a NBR 9004.
Desisti de buscar uma planilha de indicadores toda verdinha.
Os índices são assim mesmo, às vezes melhoram, às vezes pioram. Isso é o mundo real.
Eu não vou deixar de fazer a gestão sobre eles, mas decidi que não vou mais sofrer por isso.
Bons ou ruins eles devem gerar aprendizado e isso é o mais importante.
Desisti de trabalhar para fazer o meu sistema da qualidade ser perfeito.
Eu prefiro mantê-lo sob controle, funcionando, ajudando as pessoas, ajudando os processos, dando resultados, mesmo que aos poucos.
Com essa filosofia eu ganhei um monte de parceiros, ao invés de cultivar inimigos.
Se eu fosse você, desistia também...

Tem um monte de coisas que você faz, carrega e sente, que não precisa.
Pense nisso!!!

Postado na "Casa da Mariquinhas", pela Amiga Mariazita

ARTIGO NO JORNAL "LE MONDE" QUE NÃO CHEGOU A PORTUGAL!!!

Este artigo vinha no Monde de 18-03-2010. Que por acaso não foi vendido em Portugal por problemas de impressão…Coincidência? Não acredito!
Foi mais uma intervenção “oportuna” de Sócrates… Pois se não é, parece e deu muito jeito!

Monde 18/03/2010 à 00h00
José Sócrates, le Portugais ensablé
Rien ne va plus pour le Premier ministre socialiste, dont le nom est associé à des affaires de corruption sur fond de crise économique majeure.

Réagir
Par FRANÇOIS MUSSEAU envoyé spécial à Lisbonne

(…) Aujourd’hui commencent à Lisbonne les travaux d’une commission d’enquête parlementaire qui, pour la première fois depuis la fin de la dictature de Salazar, implique directement un Premier ministre. Et va le contraindre à comparaître physiquement, au mieux par écrit. "Le Portugal est un bateau ivre dans lequel le capitaine est le plus suspect de tout l’équipage", a asséné un chroniqueur de la chaîne privée SIC.(…)

O portuguesing do Zeinal...‏

Zeinal Bava na comissão de ética, no último dia 10 de Março... portuguesingando!!! Impressionante o ar de entendidos dos deputados! Não houve quem o mandasse calar!

Enviado por e-mail, pelo Amigo Artur Pinto

22/03/2010

EMPRESAS COTADAS DÃO PRÉMIOS MILIONÁRIOS!!!

Perante estes números, acho que o Ordenado Mínimo Nacional e não só...são exageradamente elevados, Há que reduzi-los e fazer sacrifícios, para poderem pagar esta escandaleira.....Com gestores tão bons, ainda não compreendi, como chegámos a este ponto.

Empresas cotadas dão prémios milionários
17 Março 2010 in “Correio da Manhã”


Rui Pedro Soares dirige a área internacional da PT
17 Março 2010 in “Diário de Notícias Online”
Ex-gestor Rui Pedro Soares, um dos dois ex-administradores da Portugal Telecom que renunciaram ao mandato, na sequência do seu envolvimento nas escutas do processo Face Oculta, já tem uma nova área de responsabilidade atribuída na empresa. Como quadro da PT deixou a administração, mas não a empresa e ficaria agora com um cargo de director de primeira linha, embora ainda não se soubesse qual o pelouro que lhe seria atribuído.
Contudo o DN apurou junto de fontes da empresa e próximas do gestor, que há poucos dias ficou definido que será director de primeira linha para a área internacional da PT, recebendo um vencimento da ordem dos 10 mil euros por mês, somando a remuneração fixa, a variável, dependendo esta última dos objectivos alcançados.
Até ao final de Março, contudo, o ex-administrador executivo da PT "ainda estará a fazer a transferência de alguns dos dossiers que acompanhava até renunciar ao mandato". O jovem socialista, que se destacou na JS, durante a liderança de Sérgio Sousa Pinto, renunciou ao mandato ainda antes de Soares Carneiro, o outro dos envolvido no processo "Face Oculta", porque as buscas da Polícia Judiciária acabaram por acelerar a sua decisão.
Mas relativamente à indemnização que irá receber, por ter deixado o cargo de administrador executivo dois anos antes de terminar o mandato, ainda nada está definido, disseram ao DN fontes da PT ligadas às negociações. Uma informação confirmada por fonte próxima de Rui Pedro Soares. "O assunto ainda está a ser estudado pela Comissão de Vencimentos da PT", afirma fonte da empresa.
Rui Pedro Soares entrou na Portugal Telecom em 2006, a convite de Henrique Granadeiro, e agora foi um dos homens que esteve envolvido nas negociações PT/TVI.

Há que aguardar "sem pressão" a avaliação da ética dos administradores – Henrique Granadeiro
16 Março 2010 in “DN / Lusa”
O presidente da Portugal Telecom (PT), Henrique Granadeiro, assegurou hoje que a comissão de auditoria da empresa já iniciou a avaliação da ética dos administradores, sendo necessário "aguardar, sem qualquer pressão, pelos resultados". "Eles estão a fazer o seu trabalho e apresentarão o resultado quando o tiverem terminado. Têm capacidade de decisão própria, pelo que nem sequer apresentam o trabalho ao conselho de administração. Se houver alguma coisa a deliberar, deliberarão. Se não, darão o destino que entenderem ao trabalho que tiverem concluído", afirmou.
Portugal Telecom paga 790 milhões aos trabalhadores inactivos
Treze mil colaboradores suspensos ou na pré-reforma recebem salários da operadora nacional e em alguns casos têm direito a aumentos. Em 2009, custaram 176 milhões de euros.
Quarta-feira 17 Março 2010 in “Diário Económico” por Filipe Alves (filipe.alves@economico.pt)
A herança do seu passado enquanto monopólio estatal continua a pesar nas contas da Portugal Telecom (PT). Nos próximos anos, a operadora de telecomunicações liderada por Zeinal Bava terá de pagar um total de 791 milhões de euros em salários a quase 13 mil trabalhadores que se encontram suspensos ou na pré-reforma.
A 31 de Dezembro, a PT tinha 6.228 empregados suspensos e outros 6.497 pré-reformados, tendo cada um deles direito a um salário mensal que corresponde a entre 80 a 100% da sua remuneração no activo, até ao dia em que se reformarem. Em alguns casos, segundo o documento divulgado pela operadora, haverá mesmo direito a um “incremento anual” no salário, no âmbito dos compromissos assumidos com os sindicatos.
Com estas regras, em média, cada um destes 12.775 trabalhadores terá direito a receber 61.917 euros da operadora, até à sua aposentação, sendo que o pagamento dos salários é directamente assegurado pela PT Comunicações, a empresa que gere a rede fixa.
Embora avultado, este encargo com os salários de trabalhadores inactivos representa uma diminuição de 12,1% face aos 900 milhões de euros registados no final de 2008, que se explica pelo facto de a empresa ter suspendido o seu programa de redução de efectivos.
Fundo de Pensões recebeu injecção extraordinária
Qual o executivo que merece ganhar mais
Zeinal Bava é o CEO mais bem pago em função do lucro. Mas Vasco de Mello ganha face às receitas.
Quarta-feira 17 Março 2010 in “Diário Económico” por Filipe Alves (filipe.alves@economico.pt)
Com o tema da remuneração dos gestores na ordem do dia, as grandes empresas nacionais começam a revelar os salários dos seus administradores executivos. Mas além da comparação em termos absolutos, que esconde as diferentes dimensões das empresas e dos mercados onde actuam, é possível avaliar os ordenados dos gestores em função de vários indicadores operacionais.
Tendo em conta os custos com pessoal, a CEO da EDP Renováveis, Ana Maria Fernandes, é a mais bem paga: 5,8 mil euros por cada milhão de euros dispendido com os salários de funcionários. Mas se o critério for o lucro, é já o CEO da PT, Zeinal Bava, quem ocupa o lugar cimeiro, auferindo 2,69 mil euros por cada milhão de lucro gerado. Por sua vez, o CEO (e ‘chairman’) da Brisa, Vasco de Mello, é o mais bem remunerado tendo em conta as receitas geradas, com 639 euros por cada milhão. Por último, José Honório, CEO da Portucel, ocupa o primeiro lugar em função do EBITDA.
No entanto, esta comparação assenta somente nos dados já tornados públicos, sendo que apenas a PT e a Brisa divulgaram, para já, os valores detalhados para cada administrador, incluindo os salários recebidos de empresas participadas, tal como estipulam as novas regras da CMVM que vão entrar em vigor no próximo ano.
Este facto está a causar polémica entre as cotadas da praça nacional, com várias empresas a adiarem por mais um ano a divulgação detalhada dos ordenados dos gestores.
“Algumas empresas poderão cair na tentação de tentar esconder os salários que os gestores recebem de sociedades participadas, revelando apenas o que recebem das ‘holdings’”, disse um gestor que não quis ser identificado.
Mas, pouco a pouco, as grandes cotadas começam a aventurar-se neste campo onde, mais do que nunca, é necessário manter um fino equilíbrio, de forma a não afugentar o talento para outras paragens. “Temos de ter gestores de topo, com capacidade para competir a nível internacional.
Não podemos andar a alimentar sentimentos mesquinhos”, disse outro responsável de uma grande cotada, que também não quis ser identificado, devido à delicadeza do tema.
Rui Pedro Soares recebeu 1,53 milhões
Rui Pedro Soares, que se demitiu recentemente da gestão executiva da PT, na sequência do caso TVI, continua a ser quadro da operadora de telecomunicações.
O antigo administrador da Portugal Telecom, Rui Pedro Soares, que se demitiu devido à polémica em torno da tentativa de compra da TVI, teve direito a um prémio de gestão de cerca de um milhão de euros, relativo aos exercícios de 2006 a 2009.
Segundo os dados ontem divulgados pela operadora de telecomunicações, os gestores executivos da PT que exerceram funções no anterior triénio (2006 a 2008), incluindo Rui Pedro Soares, receberam em 2009 um prémio plurianual. Por decisão interna da operadora, este prémio apenas é pago no final de cada mandato, de modo a desencorajar eventuais tentativas de inflacionar os resultados da empresa. Ao todo, os gestores do triénio anterior – Henrique Granadeiro (‘chairman’), Zeinal Bava (CEO), Pacheco de Melo, António Caria e Rui Pedro Soares receberam 3,8 milhões de euros.
O ‘chairman’ e o CEO auferiram 1.019.271 euros cada, ao passo que os restantes gestores, tiveram direito a um bónus de 586.853 euros cada. Rui Pedro Soares recebeu ainda salário fixo (498,1 mil euros) e prémio variável de 2009 (449 mil euros), totalizando 1,533 milhões de euros.
Ainda assim, a gestão da PT ganha menos que as das suas concorrentes internacionais.
Salários dos gestores da PT valem 1,7% dos lucros
PT paga 14 mil euros por mês em salários fixos a Nuno Vasconcelos e Rafael Mora, da Ongoing.
17 Março 2010 in “ionline.pt” por Filipe Paiva Cardoso
A Portugal Telecom (PT) pagou 11,37 milhões de euros aos seus 29 administradores em remunerações relativas ao ano passado. Este valor representa 1,7% do lucro conseguido pela operadora em 2009 – 684 milhões de euros – e, do total, mais de metade foi pago em prémios de desempenho anuais ou plurianuais. Zeinal Bava, CEO, e Henrique Granadeiro, chairman, receberam 2,5 milhões e 1,67 milhões respectivamente, 37% do total.
No bolo de remunerações pagas pela PT, estão ainda incluídos os salários pagos pela empresa aos máximos responsáveis da Ongoing, Nuno Vasconcellos e Rafael Mora, assim como os ordenados de Soares Carneiro e Rui Pedro Soares, que se demitiram na sequência da divulgação das escutas relativas ao processo Face Oculta.
Estes dois últimos receberam um total 1,91 milhões de euros, a maior parte paga a Rui Pedro Soares: 1,53 milhões, dos quais perto de um milhão se deve a prémios a que Soares Carneiro não teve direito.
Já os líderes da Ongoing, empresa detentora do “Diário Económico”, receberam 198,6 mil euros de remuneração fixa da Portugal Telecom relativa ao ano passado. Nuno Vasconcelos, o dono da Ongoing, recebeu 113,3 mil euros – pouco mais de 8 mil euros por mês – e Rafael Mora recebeu 85,3 mil euros – 6 mil euros por mês –, já que ambos são administradores-não-executivos da operadora de telecomunicações nacional. Menos que na Europa
A remuneração paga pela Portugal Telecom aos seus administradores-executivos compara negativamente com a média praticada noutras operadoras europeias, isto numa avaliação preliminar, já que as empresas internacionais ainda não divulgaram valores relativos a 2009.
Assim, cruzando o valor pago pela PT, no ano passado com os valores pagos pela Vodafone, Deutsche Telekom ou Telefónica em 2008, notam-se bastantes diferenças.
Na Vodafone, os administradores-executivos receberam um bolo total de 27 milhões de euros, na Deutsche o valor chegou aos 17 milhões e na Telefónica aos 11,5 milhões.
Na Portugal Telecom, a administração-executiva recebeu um total de 6,8 milhões de euros no ano passado – considerando apenas um terço dos prémios plurianuais referentes a três anos. Mas os portugueses também não estão no fim da tabela. A France Télécom, TeliaSonaera, Belgacom ou Telekom Austria, para dar alguns exemplos, pagam menos que a PT aos seus administradores-executivos. Numa média simples, e considerando apenas 12 operadoras internacionais e as remunerações de 2008 dessas mesmas empresas, pode-se dizer que os administradores-executivos da PT ganham em média menos 35% que os seus homólogos.
Olhando apenas para as remunerações dos líderes das empresas, é possível concluir-se que Zeinal Bava poderia estar a ganhar melhor noutra operadora internacional. O líder de uma gigante como a Vodafone, por exemplo, encaixa por ano perto de 14 milhões de euros. Já na Deutsche Telekom, o CEO aufere pouco mais de 3,7 milhões de euros.
E em Portugal?
As empresas cotadas portuguesas ficaram desde este ano obrigadas por lei a divulgar as remunerações individuais recebidas pelos seus administradores. Porém, nem todas estão a divulgar integralmente. Tal ocorre porque há uma lacuna que permite omitir as remunerações pagas pelas subsidiárias das empresas aos responsáveis, o que faz com que os valores divulgados nos relatórios e contas possam não ser os absolutos. Estas omissões impedem assim uma comparação a 100% dos salários e prémios pagos aos administradores das empresas cotadas na bolsa portuguesa e, até ao momento, apenas a PT e a Brisa optaram pela divulgação integral dos valores pagos aos responsáveis.
Olhando para as remunerações na concessionária Brisa, o primeiro dado que salta à vista é o facto do CEO – cargo com mais responsabilidade – ter auferido menos em 2009 que os seus administradores. Vasco de Mello, segundo refere a empresa no seu relatório e contas, “solicitou à comissão de remunerações que não lhe fosse atribuído qualquer prémio”, tendo assim abdicado de mais de 265 mil euros de remuneração. O responsável máximo da Brisa fechou o ano com uma remuneração total de 492,5 mil euros, contra os 563 mil a 707 mil euros que os administradores da concessionária receberam – cada um com direito a entre 150 e 265 mil euros em bónus. A Brisa fechou o ano com 161 milhões de euros de resultado líquido, mais 6,4% do que o lucro que atingiu em 2008.
Ongoing passa a constar da lista de fornecedores da Portugal Telecom
A Ongoing aparece, pela primeira vez, na lista de accionistas com os quais a Portugal Telecom (PT) fez negócio em 2009. E por serviços prestados à PT, a Ongoing recebeu, durante 2009, um total de 2,78 milhões de euros. 17 Março 2010 12h18 por Alexandra Machado (amachado@negocios.pt) No relatório e contas, que vai ser votado na assembleia geral de 16 de Abril, a PT não concretiza (não é obrigada) em que negócios são feitas estas transacções, mas parte desse montante estará relacionado com a Mobitt (soluções para comunicação, marketing e publicidade), para a qual a Ongoing entrou na administração no último ano. Mas em Setembro, quando a PT revelou os negócios com partes relacionadas dos nove primeiros meses do ano, não havia transacções com a Ongoing.
Nos negócios com accionistas, a PT revela que vendeu à Ongoing, em 2009, um milhão de euros.
A factura da Heidrick & Struggles, onde Rafael Mora é "partner", à PT foi de 2,2 milhões de euros.
Além destes valores, os fundos de pensões da PT têm investimentos de 77 milhões de euros em veículos da Ongoing. A dotação foi de 75 milhões, mas os fundos valorizaram 4% nesse período, atingindo 77 milhões. Essa rentabilidade é aliás inferior aos 15% que os fundos de pensões da PT conseguiram, durante o conjunto de 2009.
Foi este investimento na Ongoing, aliás, que levou a PT a alterar as regras para a realização de negócios com accionistas.
Tal como o Negócios avançou, existe agora um limite a partir do qual, os investimentos têm de ser aprovados no conselho de administração. As transacções acima de um milhão de euros estão sujeitas a aprovação pelo conselho de administração. As operações de 100 mil euros a um milhão de euros só podem ser aprovadas depois de luz verde da comissão de auditoria.
Além dos negócios com a Ongoing, a PT registou, ainda, transacções em 2009 com a Caixa Geral de Depósitos, com o BES, Visabeira, Controlinveste e Barclays.
A Caixa contrata à PT 32 milhões de euros, enquanto a operadora só "deu" 4,9 milhões de euros com o banco público.
Com o banco de Ricardo Salgado, a relação é mais intensa. A PT contratou 23,7 milhões ao BES, enquanto o banco privado comprou 25 milhões à operadora. Os fundos de pensões da PT têm uma posição accionista no banco, que tinha em Dezembro um valor de 140 milhões. Além disso, a PT entrou no fundo de capital de risco do BES com dois milhões de euros.
Os negócios prestados pela PT à Visabeira diminuíram em 2009 de 32 milhões para 6,2 milhões de euros. Mas continuou a ser um grande fornecedor da PT, com 87,9 milhões de euros. À Controlinveste, a PT passou, em 2009, facturas a cobrar 40,6 milhões.





Requerimento a Fernanda Câncio (namorada do nosso PM!),


Ó Fernanda, dado
que já estou cansado
do ar teatral
a que ele equivale
em todo o horário
de cada canal,

no noticiário,
no telejornal,
ligando-se ao povo,
do qual ele se afasta,
gastando de novo
a fala já gasta

e a pôr agastado
quem muito se agasta
por ser enganado.
Ó Fernanda, dado
que é tempo de basta,
que já estou cansado

do excesso de carga,
do excesso de banda,
da banda que é larga,
da gente que é branda,
da frase que é ópio,
do estilo que é próprio

para a propaganda,
da falta de estudo,
do tudo que é zero,
dos logros a esmo
e do exagero
que o nega a si mesmo,

do acto que é baço,
do sério que é escasso,
mantendo a mentira,
mantendo a vaidade,
negando a verdade,
que sempre enjoou,

nas pedras que atira,
mas sem que refira
o caos que criou.
Ó Fernanda, dado
que já estou cansado,
que falta paciência,

por ter suportado
em exagerado
o que é aparência.
Ó Fernanda, dado
que já estou cansado,
ao fim e ao cabo,

das farsas que ele faz,
a querer que o diabo
me leve o que ele traz,
ele que é um amigo
de São Satanás,
entenda o que eu digo:

Eu já estou cansado!
Sem aviso prévio,
ó Fernanda, prive-o
de ser contestado!
Retire-o do Estado!
Torne-o bem privado!

Ó Fernanda, leve-o!
Traga-nos alívio!
Tenha-o só num pátio
para o seu convívio!
Ó Fernanda, trate-o!
Ó Fernanda, amanse-o!
Ó Fernanda, ate-o!
Ó Fernanda, canse-o!

Euleriano Ponati
(poeta não titular)

21/03/2010

LIMPAR PORTUGAL EM PERMANÊNCIA!


Para o bem e para o mal, as "redes sociais" aí estão! Desta vez, ao serviço de uma boa CAUSA: LIMPAR PORTUGAL! Para já, é para limpar as lixeiras (13.500 em todo o país)! E se um dia esta ou outra muita gente decidir eleger como CAUSAS, por exemplo, a burocracia, a ditadura fiscal, o combate aos desigualdades sociais, o enriquecimento ilícito de gente que ganha imenso trabalhando muito pouco, a insegurança de pessoas e bens, a prepotência do Estado e de muitos dos seus Serviços Públicos na forma como muitas vezes trata os cidadãos?

padre José Maia no Correio da Manhã de hoje

20/03/2010

Ainda as escutas... MP compara explicações de Vara às dadas por traficantes!


O Ministério Público de Aveiro considera que as explicações que Armando Vara deu sobre algumas escutas telefónicas do processo "Face Oculta" "fazem lembrar" outros casos "para explicar as encomendas de lençóis da branca e da escura como encomendas de materiais têxteis". Ou seja, justificações que ocorrem nas investigações de tráfico de droga. A opinião do procurador João Marques Vidal foi expressa na resposta deste ao recurso da defesa do banqueiro.
O procurador utilizou tal expressão para tentar desmontar os argumentos apresentados pelos advogados Nuno Godinho de Matos e Tiago Bastos quanto a uma escuta telefónica, em que Manuel Godinho pergunta a Armando Vara se quer para agora "os 25 quilómetros" (a que Vara responde que "fica para mais tarde"). Segundo o MP, trata-se de 25 mil euros que o empresário de Ovar deu a Vara. Ora, a defesa deste argumenta que "o universo empresarial não é só composto pelas empresas do PSI-20, com gestores formados na Universidade Católica, de gravata Hermes, jaquetão azul-marinho (...) e, em alguns casos (de pior gosto, mas mais sentido de exibição), com gel na cabecinha e barba de três dias, meticulosamente aparada para exibir o contraste". Ou seja, Vara tem de falar com todo o tipo de pessoas.
Para João Marques Vidal, o facto de Armando Vara ter recorrido "à utilização de uma linguagem cifrada" nos contactos com Manuel Godinho é porque "estava bem ciente dos problemas e intenções" do empresário de Ovar, o único arguido em prisão preventiva. Nos autos do processo, estão documentados oito encontros entre Manuel Godinho e Armando Vara. Sendo que ao empresário também foi apreendida uma lista, na qual Vara figurava como a pessoa que, nos anos de 2004 e 2006, recebeu as "prendas de maior importância". "O arguido [Armando Vara] era considerado por Manuel Godinho uma pessoa importante para o desenvolvimento dos seus negócios", concretizou o procurador. O magistrado, porém, está com uma dificuldade: demonstrar que Armando Vara recebeu 25 mil euros.
É que o próprio juiz de instrução, António Gomes, não deu aquele facto como indiciado. Por isso, João Marques Vidal sustenta na resposta ao recurso que Vara terá, pelo menos, aceitado a promessa de ser retribuído por eventuais favores que tenha feito a Manuel Godinho.
João Marques Vidal também aproveita escutas telefónicas entre terceiros (como Manuel Godinho e Paulo Penedos) para associar Armando Vara aos negócios de Manuel Godinho. Numa conversa, Godinho disse a Penedos: "Vou telefonar para o nosso amigo, a ver se ele dá um empurrão aqui, um empurrão acolá, a ver se me arranja algum trabalho."
Por outro lado, a investigação sustenta que um contrato entre uma empresa de Manuel Godinho e a EDP Imobiliária, na ordem dos 700 mil euros, só foi possível devido à intervenção de Armando Vara junto de Paiva Nunes, vogal daquela empresa do grupo EDP e também arguido no processo. Por isso, João Marques Vidal até admite que, além de tráfico de influências, o ex-administrador do Millenium bcp possa ser indiciado por corrupção.
O recurso de Vara está a ser analisado por juízes desembargadores do Tribunal da Relação do Porto. Recorde-se que o banqueiro ficou, como medida de coacção, sujeito ao pagamento de uma caução de 25 mil euros e proibido de contactar com alguns dos arguidos do processo "Face Oculta".
Por Carlos Rodrigues Lima

Nota:
Enquanto um assobia para o lado o outro ri-se... E assim vai a nossa "justiça"!!!

DIZ O ROTO AO NU PORQUE NÂO TE VESTES TU!!!


Manuel Alegre considera prémios dos gestores públicos "um escândalo para a saúde da República"
Bragança, 19 mar (Lusa) - O candidato a Presidente da República, Manuel Alegre, considerou hoje "um escândalo para a saúde da República" os prémios dos gestores públicos, enquanto o Programa de Estabilidade e Crescimento (PEC) impõe o congelamento dos salários na Função Pública.
"Não me parece que haja neste PEC um suficiente esforço de partilha", disse, em Bragança, num jantar com apoiantes em que comentou o PEC apresentado pelo Governo.
Para o socialista, "o esforço de contenção que é pedido pelo PEC é desigualmente distribuído".
Manuel Alegre criticou também a prevista privatização de serviços públicos, "ainda por cima rentáveis", com a qual entende "não se está a pretender uma melhoria da sua gestão e uma resposta ao interesse público, mas apenas querer obter rapidamente uma receita extraordinária".
"Também me parece que um país como o nosso não pode prescindir de uma transportadora aérea nacional que garanta a ligação com o Brasil, Estados Unidos da América e os países lusófonos de África", disse.
O candidato a Presidente da República defende que o que Portugal precisa "não é do código de conduta das medidas orçamentais impostas pelo Banco Central Europeu, mas de uma austeridade republicana exemplar, a partir de cima".
"Desde os titulares dos órgãos de soberania aos administradores de empresas públicas", concretizou.
Manuel Alegre considerou ainda ser necessário "repensar os critérios monetaristas que estão a contaminar a Europa" e criticou a falta de controlo do dinheiro que a União Europeia incentivou os Estados-membros a introduzirem nos bancos.
"Nenhum constrangimento vindo de fora pode pôr em causa serviços públicos essenciais ao povo português como a Segurança Social, a escola pública e o Serviço Nacional de Saúde", afirmou.
Alegre frisou ainda que não renegará os seus valores para condicionar apoios à sua candidatura.
O candidato referiu-se também ao actual Presidente da República, nomeadamente à última entrevista televisiva de Cavaco Silva, comentando: "Não faz parte da minha maneira de ser dar entrevistas para não dizer nada."
"O papel de um Presidente da República não é de gerir silêncios nem de dizer apenas o que lhe convém quando lhe convém. A magistratura de influência do Presidente da República implica a utilização da pedagogia da palavra como um instrumento ao serviço do país", declarou.
"Falar mas nada dizendo, pronunciar-se mas nada propondo ou intervir mas nada acrescentando é um exercício vazio ou nulo de propósito", acrescentou.
Para Manuel Alegre, "Portugal precisa de uma inspiração mobilizadora e não de exercícios de cálculo".
"Cabe ao Presidente da República indicar o caminho e não os atalhos. A defesa da estabilidade não é um jogo de sombras, é uma prática de clarificação", afirmou.
O presidente da federação distrital de Bragança do PS, Mota Andrade, foi um dos promotores do jantar de apoio a Manuel Alegre, afirmando que a sua candidatura é a "da esperança".
HFI.


Moral da História:
Segundo ele "Falar mas nada dizendo, pronunciar-se mas nada propondo ou intervir mas nada acrescentando é um exxercício vazio ou nulo de propósito."
Ora depois destas palavras estava à espera que propuzesse reduções no número de deputados, ministros, secretários de estado, assessores, gestores públicos etc., etc., reduções nos salários e "mordomias" da "nomenclatura" ( deputados, gestores públicos, etc.), as reformas só entrarem em vigor quando as pessoas atinjam a idade dos 65 ou 70 anos e nunca antes, contenção nos prémios de produtividade que actualmente atingem valores astronómicos e outras disposições do mesmo tipo que pelo bom exemplo dariam a todo o mundo razões para pensar que ali estava Alguém de Bem mas não, ficou-se "por falar mas nada dizendo"! Assim lembrou-me o provérbio: "Diz o roto ao nu porque não te vestes tu?"...

Aniversário da Amiga Ana Martins


PARABÉNS A VOCÊ
NESTA DATA QUERIDA
MUITAS FELICIDADES
MUITOS ANOS DE VIDA

HOJE É DIA DE FESTA
CANTAM AS NOSSAS ALMAS
PARA A MENINA ANINHAS
UMA SALVA DE PALMAS!!!

EHEHEHEHEHEHEHEH

Beijinhos muitos beijinhos!!!



19/03/2010

Não importa a morte... o 'prof' até era louco!

"Segundo os jornais 'Público' e 'i', o professor de Música que se suicidou a 9 de Fevereiro deste ano, parou o carro na Ponte 25 de Abril, em Lisboa, e atirou-se ao rio Tejo. No seu computador pessoal, noticiam os dois diários, deixou um texto que afirmava: 'Se o meu destino é sofrer, dando aulas a alunos que não me respeitam e me põem fora de mim, não tendo outras fontes de rendimento, a única solução apaziguadora será o suicídio', disse o licenciado em Sociologia.
O 'i' coloca o 9B no centro deste caso, escrevendo que os problemas do malogrado professor tinham como foco insultos dentro da sala de aula, situações essas que motivaram sete participações à direcção da escola, que em nada resultaram.
E à boa maneira portuguesa, lá veio o director regional de Educação de Lisboa desejar que o inquérito instaurado na escola de Fitares esclareça este caso. Mas também à boa maneira deste país, adiantou que o docente tinha uma 'fragilidade psicológica há muito tempo'.
Só entendo estas afirmações num país que, constantemente, quer enveredar pelo caminho mais fácil, desculpando os culpados e deixar a defesa para aqueles que, infelizmente, já não se podem defender.
É assim tão lógico pensar que este senhor professor, por ter a tal fragilidade psicológica, não precisaria de algo mais do que um simples ignorar dos sete processos instaurados àquela turma e que em nada deram? Pois é. O ‘prof’ era maluco, não era? Por isso, está tudo explicado.
A Direcção Regional de Educação de Lisboa (DREL), à boa maneira portuguesa, colocou psicólogos na tal turma com medo que haja um sentimento de culpa. E não deveria haver? Não há aqui ninguém responsável pela morte deste professor? Pois é, era maluco, não era?
José Joaquim Leitão afirmou que os meninos e meninas desta turma devem ser objecto de preocupação para que não haja traumas no futuro. 'Temos de nos esforçar para que estas situações possam ser ultrapassadas. Trata-se de jovens que são na sua generalidade bons alunos e que não podem transportar na sua vida uma situação de culpa que os pode vir a condicionar pela negativa', afirmou.
Toca a tomar conta dos meninos e meninas porque não pode haver um sentimento de culpa. É verdade! O ‘prof’ era louco, não era?
Não estou a dizer que haja aqui uma clara relação causa-efeito. Mas alguma coisa deve haver. Existem documentos para analisar, pessoas a interrogar, algumas responsabilidades a apurar. Por isso, neste 'timing', a reacção da DREL é desequilibrada. Só quem não trabalha numa escola ou não lida com o ambiente escolar pode achar estranho (colocando de lado a questão do suicídio em si) que um professor não ande bem da cabeça pelos problemas vividos dentro da sala de aula em tantas escolas deste país.
Não se pode bater nos meninos, não é? Os castigos resultantes dos processos disciplinares instaurados aos infractores resultam sempre numa medida pedagógica, não é? Os papás têm sempre múltiplas oportunidades para defenderem os meninos que não se portaram tão bem, não é? É normal um aluno bater no professor, não é? É normal insultar um auxiliar, não é? É normal pegar fogo à sala de aula ou pontapear os cacifos, não é? É normal levar uma navalha para o recreio, não é? É também normal roubar dois ou três telemóveis no balneário, não é? E também é normal os professores andar com a cabeça num 'oito' por não se sentirem protegidos por uma ideia pedagógica de que os alunos são o centro de tudo, têm quase sempre razão, que a vida familiar deles justifica tudo, inclusive atitudes violentas sobre os colegas a que agora os entendidos dão o nome de 'bullying'?
De que valem as obras nas escolas, os 'Magalhães', a educação sexual, a internet gratuita ou os apelos de regresso à escola, uma espécie de parábola do 'Filho Pródigo' do Evangelho de São Lucas (cap.15), se as questões disciplinares continuam a ser geridas de forma arcaica, com estilo progressista, passando impunes os infractores?

Só quem anda longe do meio escolar é que ficou surpreendido com o suicídio do pequeno Leandro ou com o voo picado para o Tejo do professor de Música. Nas escolas, antigamente, preveniam-se as causas. Hoje, lamentam-se, com lágrimas de crocodilo, os efeitos. O professor era louco, não era? Tinha uma clara fragilidade psicológica, não tinha? Pobre senhor. Se calhar teve o azar de ter que ganhar a vida a dar aulas e não conheceu a sorte daqueles que a ganham a ditar leis do alto da sua poltrona que, em nada, se adequam à realidade das escolas de hoje."

Ricardo Miguel de Vasconcelos, no Correio do Minho

Nota: Aproveite para visitar o blogue http://umespectador.blogspot.com/ e veja o post Respostas Sociais para Crianças e Idosos





QUERER É PODER... UM EXEMPLO A SEGUIR!!!


É a história de Pedro Choy.

Uma verdadeira inspiração para quem tem a mania de se queixar muito da vida e fazer pouco para lhe dar a volta.

Olhando para ele, para a forma dominadora como fala, para o modo seguro como trabalha, avaliando as 18 clínicas que tem, espalhadas por todo o país, ostentando o seu nome, metade português, metade chinês, “Clínicas Dr. Pedro Choy”, medindo e pesando o homem, o médico, Pedro Choy, ninguém diria, dessa análise precipitada e ligeira, que nasceu pobre. Mas nasceu. Muito pobre. Tão pobre que só teve electricidade aos 15 anos. Tão pobre que as instalações sanitárias da sua pobre casa, em Almeirim, eram no fundo do quintal e consistiam num buraco feito no chão, rodeado por uma cabana de madeira feita por si e pelos irmãos, com tábuas e pregos. Tão pobre que, todos os anos, Pedro Choy e os irmãos tapavam esse buraco com terra e abriam outro buraco ao lado.

Pedro Choy nasceu em Macau e veio com três meses para Portugal, mais concretamente para Almeirim, onde vivia uma avó (mãe do pai). Um ano depois, rebentou a guerra colonial e o pai foi para Macau, onde ficou 14 anos. A mãe de Pedro Choy, chinesa, ficou sozinha com quatro filhos, três rapazes e uma rapariga, numa terra estranha, sem falar uma palavra de português. “A minha mãe, além de ser chinesa, vestia-se de uma forma completamente chinesa. Naquela altura, em Almeirim, nunca ninguém tinha visto um chinês. As pessoas andavam atrás dela como quem vê um extraterrestre. Faziam fila para a ver. A ponto de, um dia, ela ter desatado a fugir e ter caído, porque tinha medo. Por outro lado, o meu pai era o único adulto com quem ela conseguia falar, dado que não falava português. É uma sobrevivente, a minha mãe. Uma mulher muito especial.”

Quando chegou a Portugal, e sobretudo a Almeirim, a mãe de Pedro Choy desconfiava que algo de muito sério se passava. Acostumada à densidade populacional da China, estranhava a escassez de pessoas. “O meu pai assegurava-lhe vezes sem conta que não havia nenhuma espécie de guerra, que estava tudo bem. Não havia nem guerra, nem peste, nem epidemias. Porque ela não conseguia acreditar que a população da terra fosse mesmo só aquela, que não estava ninguém escondido.”

A avó de Pedro Choy morava numa casa igualmente pobre, com chão em terra e divisões improvisadas pelos netos, com tábuas. Era cauteleira e vidente. Na terra era conhecida como “a bruxa”. “Lembro-me de passar de ouvir as pessoas dizer: ‘Lá vai o neto da bruxa’. Não foi fácil. Fomos vítimas de chacota, não só por sermos pobres mas também por sermos chineses. No meu caso, por exemplo, inventavam-me nomes. Chamavam-me ‘Choy-Roy-Foy-Coy-Moy…’, tudo acabado em oy.” Mas Pedro foi educado para ser forte. O pai ensinou-o a dar como resposta: “Pois é. É por isso que sou melhor do que tu.”

Pedro Choy e os irmãos cresceram e fortaleceram-se, num ambiente hostil. Apesar da pobreza, os “filhos da chinesa” e “netos da bruxa” nunca andaram sujos nem nunca passaram fome: “Podíamos usar roupas usadas, velhas, dadas, mas estavam limpas. Podia não haver dinheiro para comprar carne mas tínhamos, pelo menos, arroz todos os dias. Arroz e leite. Não passávamos fome, do ponto de vista quantitativo.”
Passar fome, passou mais tarde, enquanto estudante universitário. Quando pediu uma bolsa de estudo e a viu recusada, Pedro Choy sentiu uma revolta grande. “Eu era a pessoa mais pobre do meu curso. Se eu não tinha direito à bolsa, quem é que tinha? Investiguei e descobri que os bolseiros eram filhos de empresários, que pura e simplesmente não faziam declarações de rendimentos.”

E assim, sem bolsa, foi trabalhar. De resto, mesmo antes de entrar para a faculdade, aos 14 anos, prevendo qualquer dificuldade tentou armazenar dinheiro e trabalhou na Compal, em Almeirim. Era higienista, nome pomposo que, na prática, significava lavar a fábrica toda. “Foi o cargo que escolhi porque era o mais bem pago. Tinha um subsídio de risco porque era necessário lavar as máquinas por dentro. E às vezes havia acidentes. Além disso, era preciso carregar às costas sacos de 50 quilos de soda cáustica. E a soda cáustica, como o nome indica, é...cáustica.”

Além desse trabalho, teve outros: na apanha do tomate, nas vindimas, como servente de pedreiro. Mas o dinheiro amealhado não foi suficiente e, na universidade de Coimbra, onde foi tirar Medicina, passou fome. “Comia uma vez por dia, ao almoço, na cantina da universidade de Coimbra. Não tocava na maçã e no pão. Embrulhava-os e levava para casa, para me servirem de ceia. É difícil dormir quando se tem fome.”

Para dar a volta, rompeu com uma das suas convicções, a de que ensinar karaté devia ser gratuito. “A fome faz repensar algumas convicções”. Algum tempo depois de se tornar mestre de karaté, convidaram-no para ser segurança. Foi segurança de discotecas e, mais tarde, foi convidado para ser guarda-costas. “Fui guarda-costas de algumas figuras conhecidas por esse mundo fora. Era contratado para fazer reforço de segurança, ou seja, em circunstâncias de perigo. Isso permitia-me trabalhar durante duas semanas, três semanas, um mês, a remunerações absolutamente impensáveis.”

Pedro Choy chegou ao 4º ano de Medicina mas depois interessou-se mais por um curso de Medicina Tradicional Chinesa, na Universidade de Marselha. Os outros dois irmãos são médicos e a irmã é bióloga e uma das mais reputadas investigadoras na área da genética. Uma família de vencedores. Talvez porque o pai sempre lhes tenha exigido o máximo, que fossem os melhores. Talvez porque cresceram a ver a mãe num empenho extraordinário para cuidar de quatro filhos numa terra estranha, onde era vista como um extra-terrestre. Talvez porque sim, porque lhes está na massa do sangue. Pedro Choy tem 18 clínicas, espalhadas por todo o país, ostentando o seu nome, um nome que foi alvo de zombaria e que hoje é um nome de sucesso. Ninguém diria que o homem por detrás do nome nasceu pobre. Mas nasceu. Muito pobre. A prova provada de que é possível mudar o destino. Ou, como diz o provérbio chinês: “É melhor acender uma vela do que amaldiçoar a escuridão.”

* Texto publicado na revista Nós, do jornal i, de Sábado, 27 de Fevereiro de 2010, enviado por E-mail, pelo Amigo Fernando Rezende


NOTA:
Bem dizem os ciganos que querem dificuldades para os filhos enquanto pequenos para ficarem preparados para a Vida! Não é envolvidos em algodão de cor de rosa que se fazem adultos preparados para enfrentarem as dificuldades que aparecem no decorrer da vida de cada um!

Corrupção a quanto obrigas!...

Há uns tempos atrás, apareceu, lá nos Serviços, uma nova Jurista!
A "senhora" não fazia rigorosamente nada! Não fazia, não aparecia, enfim...uma vergonha!

Perante a situação, o "Arquitecto da CML" decidiu, com boa disposição, confrontar o Director:
- ''Sr. Director, não estou a perceber! Esta Jurista não está a fazer nada! Temos que resolver esta situação! O serviço, desta forma, vai ser posto em causa. Temos que resolver esta situação e substituir esta senhora por outra!"
O Director respondeu:
- "Tenha calma, eu vou ver o que se passa e vamos tentar resolver a situação!"

A conversa ficou por ali.

Passados uns dias, o Arquitecto da CML cruzou-se, no corredor, com o Director e este disse-lhe:
- "Arquitecto! Esqueça a jurista, ela é intocável!"

O "Arquitecto da CML" esqueceu o assunto! Ele, ao longo de muitos anos, já tinha conhecido muitos intocáveis e sabia o que isso significava!
Agora, ao ler a Visão, "o Arquitecto" percebeu porque é que a Senhora era "intocável":

Chama-se Diana Barroso Soares, é mulher de Rui Pedro Soares (sobrinho do Mário Soares) e este era um dos protegidos de António Costa.
A senhora foi para a Gestão Urbanística em Outubro de 2007 e "o Arquitecto da CML" já lá estava há mais vinte anos...

Enviado por e-mail, pelo Amigo V. Clemente

Oferta da amiga Mariz



Obrigado Amiga Mariz pelo presentinho que me ofereceu.

18/03/2010

Homenagem a uma Abelha obreira e respectivo Zangão!!!

Começo por pedir desculpa a todos pela minha ausência aqui desta minha casa muito querida.
Todos sabem qual é a razão, mas nem eu sonhava que iria ter tanto trabalho e que o mesmo me absorveria tanto tempo.
Antes de começar, gostaria de vos dizer que se não fosse com a preciosa ajuda do José, muita coisa importantíssima estaria por fazer, tal como detectar e referenciar as lixeiras bem como um um sem fim de trabalhos de importância vital.

Para que eu possa estar agora aqui sentada a escrever este texto, o José e o meu colega da Coordenação estão no terreno para mais acções.
Por alguma razão somos o Concelho com mais lixeiras assinaladas, que se não forem removidas no dia 20, serão até ao dia 26/03, porque para lá dessa data as Autarquias terão que pagar e não é pouco.
Saliento ainda, que o José fará no dia 20 a cobertura fotográfica para a United Photo Press.

A coordenação concelhia, onde eu e o meu amigo Prof. Egas estivemos mais activos, assumiu especialmente as funções: pedagógica, informativa e de divulgação.
Estivemos em várias Escolas, públicas e Privadas. Distribuímos cartazes e folhetos por todo o lado e fomos dando conta das nossas acções não só em variadíssimas reuniões sucessivas, ora com as Juntas, ora com a Câmara Municipal.
Demos entrevistas à Radio Local, recorremos à Imprensa Local, etc.

Para além destas acções, estabelecemos as parcerias para o fornecimento de todo o material necessário, que está já todo praticamente distribuído.
Todos os voluntários terão um reforço alimentar rudimentar e muita água, o qual será comparticipado pela Autarquia.

A parte da logística foi estudada também por nós, em parceria com a Câmara Municipal.
Dispomos de todo o tipo de transportes necessários à acção, desde camiões, escavadoras e tractores.
A nível de inscritos, temos até ao momento 80 pessoas na página do Grupo de Cerveira, mais cerca de 120 Escuteiros e ainda mais 15 voluntários inscritos na Associação recreativa de Nogueira.
Este é o número que posso confirmar, mas tenho a certeza que muitos mais estão inscritos nas Juntas de Freguesia.

Para concluir, digo-vos que me sinto cansada mas muitíssimo feliz...voltaria a fazer tudo de novo.
Aliás ainda vem aí o durante e o depois. Estão previstas acções contínuas no depois, de forma a prevenir que as nossas lindas montanhas e todos os belos recantos desta vila idílica nunca mais sejam conspurcados.
Veremos se seremos capazes ou não. Eu tenho a certeza que sim...

Por último, um apelo a todos os leitores deste Blogue. Este é o maior movimento cívico nacional, o que vai mostrar que somos um povo consciente dos valores mais preciosos, como a preservação do ambiente, o respeito pela natureza, o amor à nossa terra. Não se esqueçam que vamos fazer História e que esta acção vai ter repercussão mundial.

Eu Vou Limpar Portugal e Vocês Vão Ficar em Casa???

Fernanda Ferreira (Ná)


Nota:
Quem assim trabalha merece todo o nosso apoio e tudo quanto se disser é curto e fica muito aquém do que se devia fazer para os enaltecer! Pessoalmente nesse dia irei acompanhar os escuteiros aqui da área! Bom trabalho Portugal!!!

NÃO HÁ “MONEY FOR THE BOYS”


O Zé Pencas do “Tem Cheira”
Que largou a baboseira
Não há “money for the boys”
Devia de ir pró inferno
Demitir-se do governo
Sem ter regresso depois.

Se estivesse caladinho
E metesse o feio focinho
Naquilo que cheira mal
Assim ninguém ofendia
E certamente faria
Um favor a Portugal.

Com o seu ar arrogante
Sempre armado em importante
Com todos quer armar briga
Parece que o cabeçudo
Quer controlar quase tudo
E tem o rei na barriga

Das juntas de freguesia
Presidentes injuria
E sem pejo ele ofendeu
Mas para mal do casmurro
É que as palavras de burro
Nunca chegaram ao Céu.

(Autor Anónimo)

Do Blogue “Heróis do Mar”

A voz da razão

Um óscar para Sócrates

A Academia de Hollywood falhou o óscar de Melhor Actor. A culpa é do governo: ao adiar a apresentação do PEC para segunda, o executivo impediu que José Sócrates recolhesse a estatueta no domingo pela sua prestação no filme ‘O PEC não aumenta impostos’.
O filme, realizado por Teixeira dos Santos, é a saga heróica de como um governo, em apenas cinco meses, consegue rasgar o seu programa eleitoral (no investimento público, no TGV, nos salários, nas reformas) e, ao mesmo tempo, garantir aos portugueses que os impostos não subirão. Este último milagre, em cinema, costuma exigir efeitos especiais.
Em Portugal, basta um actor especial: alguém que se apresente às câmaras para afirmar que só os ricos pagarão mais (apesar de serem menos de 1% dos contribuintes) e que o fim dos benefícios fiscais não vai rapar os bolsos da classe média já espremida. Razão tem Inês de Medeiros, sua colega de profissão, em declarações recentes: se Sócrates mente, isso não é grave. Grave, acrescento eu, é não aplaudir o talento de um homem que levou a arte a patamares nunca vistos.
João Pereira Coutinho, Colunista

Monólogo de uma mulher moderna


São 5h30 da manhã, o despertador não pára de tocar e não tenho forças nem para atirá-lo contra a parede.
Estou acabada.
Não quero ir trabalhar hoje.
Quero ficar em casa, a cozinhar, a ouvir música, a cantar, etc.
Se tivesse um cão levava-o a passear nos arredores.
Tudo, menos sair da cama, meter a primeira e ter de por o cérebro a funcionar.
Gostava de saber quem foi a bruxa imbecil, a matriz das feministas que teve a ideia de reivindicar os direitos da mulher e porque o fez connosco que nascemos depois dela?
Estava tudo tão bem no tempo das nossas avós, elas passavam o dia todo a bordar, a trocar receitas com as suas amigas, ensinando-se mutuamente segredos de condimentos, truques, remédios caseiros, lendo bons livros das bibliotecas dos seus maridos, decorando a casa, podando árvores, plantando flores, recolhendo legumes das hortas e educando os filhos.
A vida era um grande curso de artesãos, medicinas alternativas e de cozinha.
Depois, ainda ficou melhor, tivemos os serviços, chegou o telefone, as telenovelas, a pílula, o centro comercial, o cartão de credito, a Internet!
Quantas horas de paz a sós e de realização pessoal nos trouxe a tecnologia!
Até que veio uma tipa, que pelos vistos não gostava do corpinho que tinha, para contaminar as outras rebeldes inconsequentes com ideias raras sobre 'vamos conquistar o nosso espaço'...
Que espaço?!
Que caraças!
Se já tínhamos a casa inteira, o bairro era nosso, o mundo a nossos pés!
Tínhamos o domínio completo dos nossos homens, eles dependiam de nós para comer, para se vestirem e para parecerem bem à frente dos amigos...
E agora, onde é que eles estão?
Agora eles estão confundidos, não sabem que papel desempenham na sociedade, fogem de nós como o diabo da cruz.
Essa piada, acabou por nos encher de deveres.
E o pior de tudo é que acabou nos lançando no calabouço da solteirice crónica aguda!
Antigamente, os casamentos eram para sempre.
Porquê?
Digam me porquê...
Um sexo que tinha tudo do melhor, que só necessitava de ser frágil e deixar-se guiar pela vida começou a competir com os machos...
A quem ocorreu tal ideia?
Vejam o tamanhão dos bíceps deles e vejam o tamanho dos nossos!
Estava muito claro que isso não ia terminar bem.
Não aguento mais ser obrigada ao ritual diário de ser magra como uma escova de dentes, mas com as mamas e o rabo rijos, para o qual tenho que me matar no ginásio, ou de juntar dinheiro para fazer uma mamoplastia, uma lipo, ou implantes nas nádegas...
Alem de morrer de fome, pôr hidratantes anti-rugas, padecer do complexo do radiador velho a beber água a toda a hora e, acima de tudo, ter armas para não cair vencida pela velhice, maquilhar-me impecavelmente cada manhã desde a cara ao decote, ter o cabelo impecável e não me atrasar com as madeixas, que os cabelos brancos são pior que a lepra, escolher bem a roupa, os sapatos e os acessórios, não vá não estar apresentável para a reunião do trabalho.
E não só mas também, ter que decidir que perfume combina com o meu humor, ter de sair a correr para ficar engarrafada no transito e ter que resolver metade das coisas pelo telemóvel, correr o risco de ser assaltada ou de
morrer numa investida de um autocarro ou de uma mota, instalar-me todo o dia em frente ao PC, trabalhar como uma escrava, moderna claro está, com um telefone ao ouvido a resolver problemas uns atrás dos outros, que ainda por cima não são os meus problemas!!!
Tudo, para sair com os olhos vermelhos - pelo monitor, porque para chorar de amor não há tempo!
E olhem que tínhamos tudo resolvido...
Estamos a pagar o preço por estar sempre em forma, sem estrias, depiladas, sorridentes, perfumadas, unhas perfeitas, operadas, sem falar do currículo impecável, cheio de diplomas, de doutoramentos e especialidades, tornámo-nos super-mulheres, mas continuamos a ganhar menos que eles e, de todos os modos, são eles que nos dão ordens!!!!
Que desastre!
Não seria muito melhor continuar a cozer numa cadeira??
Basta!!!
Quero alguém que me abra a porta para que possa passar, que me puxe a cadeira quando me vou sentar, que mande flores, cartinhas com poesias, que me faça serenatas à janela!
Se nós já sabíamos que tínhamos um cérebro e que o podíamos utilizar, para quê ter que demonstra-lo a eles??
Ai meu Deus, são 6h10 e tenho que me levantar da cama...
Que fria está esta solitária e enorme cama!
Ahhhh... Quero um maridinho que chegue do trabalho, que se sente ao sofá e me diga:
'Meu amor não me trazes um whisky por favor?' ou 'O que há para jantar?'...
Porque descobri que é muito melhor servir-lhe um jantar caseiro do que abocanhar uma sanduíche e beber uma Coca-Cola light, enquanto termino o trabalho que trouxe para casa.
Pensas que estou a ironizar ou a exagerar?
Não, minhas queridas amigas, colegas inteligentes, realizadas, liberais e idiotas!
Estou a falar muito seriamente...
Abdico do meu posto de mulher moderna.
E digo mais
:
A maior prova da superioridade feminina era o facto de os homens esfalfarem-se a trabalhar para sustentar a nossa vida boa!
Agora somos iguais a eles!


Enviado por e-mail, pela minha Amiga Claudia

NOTA:
Desculpem-me as minha Amigas pois sabem que não sou "machista" mas que há por aqui algumas coisas certas, lá isso é verdade...